8 de novembro de 2013

Bruno Fontes

Esporte: Vela

DSC_1249
DSC_0484
DSC_1033

Praticamente uma vida dedicada à vela! Exagero, que nada! O paranaense nascido em Curitiba Bruno Fontes Ferreira da Silva, 32 anos, que muito cedo se mudou para Florianópolis (SC), onde vive até hoje, começou a velejar com apenas oito anos de idade; ou seja, já são 24 anos de entrega ao esporte, com uma rotina de treinos diários, que incluem, além de velejar sempre que o vento está a favor, toda a preparação técnica e física, indispensável à carreira vitoriosa construída pelo atleta.

“Comecei a velejar com oito anos, no Lagoa Iate Clube, na capital catarinense, e três anos mais tarde passei a praticar o esporte no Iate Clube Veleiros da Ilha, também em Florianópolis, onde treino até então. Até meus 15 anos, eu velejava pela classe Optimist. Aí, quando atingi a idade-limite, fui para outras classes. Passei pela Snipe e Pinguim, até chegar à Laser, que é a classe em que velejo até hoje. Sempre me dediquei muito à vela, pois, desde criança, amava muito essa atividade. O contato com a natureza também é algo de que eu gosto muito. Eu me identifiquei demais com o esporte desde os primeiros contatos, e não larguei mais.”

Treinos
Bruno treina todos os dias, sempre focado na preparação técnica e física. “Realizo treinos funcionais, que me ajudam muito na parte física, além de estar sempre na água velejando quando o vento está bom. E quando isso acontece, dá para ficar horas e horas velejando e aprimorando a técnica. Tenho um nutricionista e um preparador físico que me acompanham para manter sempre o físico totalmente em dia.”

Abdicação e devoção
O atleta enfatizou que, como em qualquer esporte de alto rendimento, é preciso abdicar de algumas coisas na vida, sim. “É preciso estar sempre em forma para treinar bem. Tem de acordar cedo, se dedicar. É uma profissão como muitas outras, que exige muito de quem a pratica. Para chegar ao topo, dedicação é fundamental; sem ela, não tem como. Meus resultados no esporte foram aparecendo aos poucos, sempre acompanhados de muito treino e disciplina. Após mais de duas décadas velejando, disputei duas Olimpíadas [Londres, na Inglaterra, em 2012; e Pequim, na China, em 2008], além de vencer diversos campeonatos pelo Brasil e pelo mundo.”

Rotina e vida pessoal
Ele disse que, depois que se tornou pai, a rotina mudou um pouco, mas para melhor. “Minha filha e minha família representam muita coisa para mim. Eu sigo treinando forte, mas o tempo que tenho livre é para ficar com a minha filha, cuidando dela. Nessa vida de viagens, às vezes acabamos ficando pouco em casa. Por isso, gosto de ficar descansando e curtindo a família, que é muito importante para mim, tendo um papel primordial em meu lado pessoal. Também gosto de outras atividades esportivas, como surfe e kitesurf.” Já quando o assunto é gastronomia, Bruno é fã de massas e comida japonesa.

Fato marcante
Bruno contou que todos os títulos são muito importantes na carreira de qualquer atleta, mas o fato de ter participado de duas Olimpíadas é demais. “Ir para os Jogos Olímpicos, posso dizer sem medo nenhum de errar que é o máximo que um atleta pode querer, e eu fui duas vezes! Agora meu foco está em competir no Brasil e trazer uma medalha para os meus pais”, disse ele, emocionado e empolgado ao mesmo tempo.

Confira a seguir um pouco do currículo de Bruno e algumas das competições das quais participou na classe Laser, além das Olimpíadas de Londres e Pequim.

• Vice-campeão brasileiro – POA/RS – 2013;
• Membro da equipe de vela olímpica brasileira de 2001 a 2009, consecutivamente, e em 2011 e 2012;
• Medalha de prata na Copa do Mundo da Holanda – 2011;
• Medalha de prata na Copa do Mundo dos EUA – 2012;
• Pentacampeão brasileiro – 2006, 2008, 2009, 2010 e 2011;
• Pentacampeão da Pré-Olímpica – 2007, 2008, 2009, 2011 e 2012;
• Três vezes vice-campeão sul-americano – 2010, 2011 e 2012;
• Campeão sul-americano – 2008;
• Campeão sul-brasileiro – 2007;
• Vice-campeão do Pré-Pan – 2007;
• Medalha de ouro nos Jogos Sul-Americanos;
• Vice-campeão sul-americano – 2006;
• Campeão brasileiro de Oceano – 2006;
• Campeão da seletiva para o Mundial – 2006;
• Bicampeão do Sudeste-Brasileiro – 2005/2006;
• Campeão do Hemisfério Sul – 2004;
• Vice-campeão brasileiro – 2003 a 2005;
• Vice-campeão na Pré-Olímpica – 2002, 2004 e 2006;
• Vice-campeão no Sudeste-Brasileiro – 2002 a 2004;
• Vice-campeão no sul-brasileiro – 2002 e 2004;
• Terceiro lugar no Brasileiro – 2002;
• Terceiro lugar nos Jogos Sul-Americanos – 2002;
• Hexacampeão estadual de 2001 a 2004 e 2006 e 2008;
• Terceiro lugar no Sul-Americano – 2000;
• Terceiro lugar no Brasileiro – 2000;
• Vice-campeão catarinense – 1999 e 2000;
• Campeão sul-americano júnior – 1997;
• Campeão brasileiro júnior – 1997.

Reportagem e redação: Andréa da Silva Spalding