10 de novembro de 2013

Vinícius Chaparro Marques

Esporte: Beach Tênis

IMG_5220
IMG_5225
IMG_5231

Do tênis para o beach tennis: uma vida nas quadras

“Trabalhar fazendo o que se gosta e ainda levar o bem-estar para as pessoas por meio do esporte realmente não tem preço.” Essa declaração cheia de bom humor e de vontade de fazer cada vez mais é do atleta gaúcho de beach tennis Vinícius Chaparro Marques, porto-alegrense de 28 anos que hoje reside em Canoas, Região Metropolitana de Porto Alegre. 

Com uma trajetória que começou no tênis tradicional, esporte que jogou profissionalmente durante cinco anos – tendo iniciado as aulas com sete anos de idade, o que significa dizer que são 20 anos de convívio com as quadras de tênis –, Vinícius parou de praticá-lo profissionalmente e migrou para a nova modalidade, o beach tennis. “Em dezembro de 2010, numa uma viagem que fiz ao Rio de Janeiro, dando uma caminhada por Ipanema, vi pela primeira vez um jogo de beach tennis. Aí, em fevereiro de 2011, teve o primeiro campeonato no Rio Grande do Sul, na praia de Atlântida, onde, também pela primeira vez, tive contato com esse esporte… E, acreditem, saí de quadra campeão! Depois disso, não parei mais. Em março desse mesmo ano, já estava competindo no torneio brasileiro e, como eu já era atleta de tênis, não precisei de tempo para iniciar nas competições, já saí de cara competindo”, afirmou ele à equipe de reportagem da SPORTS MAG, ressaltando que com as competições do esporte está tendo oportunidade de viajar pelo mundo fazendo algo que gosta demais, apesar de tudo ainda ser novo para o atleta. “Digo isso porque comecei no beach tennis com 27 anos, o que corresponde a cerca de um ano apenas.”

Rotina e treinos – A rotina de Vinícius envolve treinamento diário e trabalho, que é justamente dar aulas de tênis e beach tennis, o que faz durante a semana. Nos sábados e domingos, normalmente, ele viaja para competir. “Eu treino de segundas a sextas-feiras, me dividindo entre as partes técnica, na quadra, e física, que pratico na academia. Ainda dentro do físico, faço fisioterapia, que para mim é um treino também, pois exerço o fortalecimento das pernas, já que venho de uma cirurgia de ligamento do joelho. Meu treino técnico dura aproximadamente duas horas e agora tenho a possibilidade de praticá-lo na Praça da Encol, onde inauguramos três quadras de beach tennis. Fora isso, contamos com uma estrutura de quadra coberta em uma academia na zona norte de Porto Alegre, que é o lugar onde treino em dias de chuva.”

Preparo – Quanto ao preparo dos atletas, Vinícius tem a opinião de que é preciso preparar o músculo para aquele determinado exercício. “Analisando o beach tennis, posso dizer que temos de fortalecer bastante nossos membros superiores, como ombros e braços. Além disso, é indispensável trabalharmos a parte de agilidade na areia, pois sendo uma superfície diferente para nós que viemos do tênis, por exemplo, é fundamental nos adaptarmos a esse novo território. O beach tennis exige um bom preparo físico, sim – afirmou o atleta – até por se tratar de um esporte jogado na areia, que é pesada e exige mais do movimento do corpo.” Ele ressaltou também que quem quiser colocar esse esporte em sua rotina deve preparar as pernas, porque elas irão trabalhar forte!

Fato marcante – “Uma das situações que considero marcantes em minha trajetória de cerca de um ano como atleta de beach tennis foi ter somente oito meses de experiência nesse esporte e ter sido convocado a integrar a seleção brasileira para o Mundial em Aruba, no Caribe, competição a qual saímos vice-campeões, pois perdemos a final para a Itália. Essa convocação veio junto com o título brasileiro de outubro de 2011.”

Renúncias e vida pessoal – Vinícius contou que, anos atrás, em sua fase profissional como atleta de tênis, teve de abdicar de muitas coisas para ir em busca de um sonho. “Não me arrependo nem um pouco de minhas renúncias, porque hoje tudo que eu tenho devo ao tênis. Não digo na parte financeira, não, e sim no lado pessoal. Fiz amigos em toda parte do mundo e ainda tenho a oportunidade de trabalhar com o que amo fazer, o que nada paga!”

Com relação à vida pessoal, o atleta e professor gosta bastante de visitar seus pais que hoje moram longe dele. “Minha mãe mora em Florianópolis (SC), e meu pai, no interior do RS, em Livramento, na fronteira com o Uruguai. Duas cidades bacanas de ir para passar uns dias. Também curto demais estar com meus amigos e degustar um bom churrasco com algumas rodadas de videogame durante a semana (risos) sempre é uma boa pedida! O velho hobby que tinha e adorava, jogar um futebolzinho, tive de aposentar totalmente, pois por causa dele tenho meus dois joelhos operados (risos)!”

Beach tennis – é um esporte originário da Itália, na década de 1990, jogado na areia da praia como o próprio nome já diz. As dimensões da quadra são as mesmas que as de vôlei de praia (16 m x 8 m) e a rede é mais baixa, medindo 1,70 m. Conforme Vinícius disse à equipe de reportagem da SPORTS MAG, no Brasil, esse esporte chegou em 2008 por meio de um italiano, justamente pelo potencial mercado que percebeu em nosso país em razão da extensa faixa litorânea que temos. “Assim, a primeira cidade brasileira que recebeu o beach tennis foi o Rio de Janeiro. Hoje, essa modalidade já virou uma febre e o Brasil inteiro já está praticando.”

Regras – Segundo explicou o atleta, as regras do jogo são praticamente iguais às do tênis, pois a contagem é a mesma. “Só que em vez de o sacador ter dois saques como no tênis, no beach tennis se tem apenas um serviço. E durante a contagem dos games quando chegamos à igualdade de 40-40 (quarenta iguais), no tênis temos vantagem e desvantagem depois desse ponto. Já no beach tennis, temos o killer point, ou seja, quem fizer o ponto fecha o game.”

Requisitos e competições – De acordo com Vinícius, o beach tennis agrega qualquer tipo de pessoa e, por isso, o esporte não para de crescer. “Os campeonatos contam com categorias amadoras e profissionais, para que atletas de todos os níveis consigam competir evidenciando suas respectivas qualidades técnicas. As competições são realizadas de janeiro a janeiro, com um calendário que integra campeonatos mundiais, nacionais e também o circuito gaúcho”, destacou.

Conquistas

- Vice-campeão mundial em Aruba pela seleção brasileira de beach tennis – novembro 2011;

- Campeão brasileiro em Caraguatatuba/SP – outubro 2011;

- Campeão do ITF do Guarujá/SP – etapa do circuito mundial – janeiro 2012;

- Atualmente é o número 1 do Rio Grande do Sul;

- Atleta-revelação de 2011, recebeu troféu no Rio de Janeiro;

- Atleta-revelação do Mundial de Florianópolis/SC – dezembro de 2011;

- Atualmente é o quinto do ranking brasileiro na categoria profissional.

 

Reportagem: Andréa Spalding