Distensão Muscular – Qual a hora certa de voltar?

As lesões musculares são as mais comuns, as mais freqüentes e as que mais confundem.

Simplesmente porque a resposta para a mais comum das perguntas: quando eu posso voltar a jogar? É muito difícil de responder com toda a certeza e garantia.

Classicamente em uma lesão de 1o ou 2o grau (numero de fibras rompidas) a resolução fica em torno de 21 dias, ou seja, perto dos 21 dias podemos imprimir maior tensão nas fibras musculares para simular o esporte do atleta. Antes disto, corremos o risco de lesionar novamente o músculo, aumentando a lesão anterior, retardando ainda mais a volta às quadras e o que é pior gerando uma cicatriz maior no tecido elástico, o que impede de ficar 100% indolor em curto prazo.

Lesionou? Agora calma!

Quando lesionamos o músculo (sentir uma fisgada ou um estalo) devemos ter em mente que continuar jogando é um erro. Mesmo que a perda funcional não seja grande, a continuação da atividade pode aumentar a lesão. Pare imediatamente e coloque gelo no local. Isto vai fazer que diminua a dor e as lesões secundarias provenientes do extravasamento do sangue pela ruptura das fibras.

Procure seu médico ou fisioterapeuta imediatamente, o fato de iniciar cedo o tratamento diminui a chance de fazer uma fibrose grande e desnecessária. Quando a lesão é de 3o grau (grande numero de fibras rompidas) o repouso é muito importante e faz parte do tratamento. Neste caso, se a lesão é nos membros inferiores, o uso de muletas pode ser recomendado.

Exames de imagem como Ecografia, ajudam muito no tratamento fisioterápico, pois podemos nos basear por ele a extensão da lesão e a exata localização da ruptura, pois nem sempre o local de maior dor será o local da lesão, isto é devido ao edema e hematoma se deslocarem com rapidez devido a gravidade e a pressão que eles fazem no tecido causa a dor.

Após sete dias de lesão e bom tratamento, inicia-se uma nova fase na reabilitação. É onde começamos a tensionar levemente a região lesada, proporcionando síntese colagenosa. Todos os exercícios devem ser controlados e livre de dor.

A progressão do tratamento é lenta e continua, respeitando a dor do atleta. Em atletas com grande resistência a dor, o fisioterapeuta tem que ter atenção dobrada, para não errar na progressão e acelerar mais que o tecido possa suportar. A regra é: trabalhar na velocidade do tecido lesionado.

Ao terminar o tratamento o atleta deve ter simulado o gesto esportivo e ter passado por um treino de exercícios excêntricos. Alongar a fibra é muito importante e o atleta tem que alongar este músculo por muito tempo após a lesão. Isto devido a cicatriz.

Reabilitar bem uma lesão muscular é a chave para uma atividade física sem dor. Pequenas lesões podem virar grandes cicatrizes desnecessárias, limitando o movimento.

Lesionou? Agora Calma!