6 de novembro de 2013

Maldivas

10-01-dhoni é o meio d etransporte nas maldivas
10-03-img_3562
10-02-img_1202

MALDIVAS POR BETO CONTE

Beto Conte, do STB, que já percorreu 124 países nos cinco continentes, retornou em fevereiro às Maldivas, e nos fala sobre esse paraíso terrestre.

Fiz por lá um dos melhores mergulhos da minha vida – desci a 30 metros para explorar o navio Victoria, que naufragou há 30 anos entre a ilha-capital Malé e a ilha-aeroporto. A estrutura de metal desse navio de 110 metros de comprimento é cenário onde se desenvolvem loucamente corais. Entre peixes, entrei na cabine do comandante e no depósito da carga de cimento. Uma loucura!

O highlight das Maldivas é mesmo o mar – explorado desde 1972, quando se construiu o primeiro resort. Hoje já existem 100 ilhas-resorts, e outras 60 estão em construção. A principal indústria do país – a turística – é muito suscetível ao mercado internacional, pois é focada no “high end”, com todos os hotéis upgraded para as categorias luxo e superluxo ‒ como o Taj Exotica Resort & Spa, o One & Only Reethi Rah, o Huvafen Fushi, o W e o Six Senses. Independentemente do hotel escolhido, areias brancas, palmeiras e águas azuis com intensa vida subaquática são sempre garantidas.

 As MALDIVAS

Esse arquipélago de 1.192 ilhas no meio do oceano Índico é considerado um dos últimos paraísos tropicais e um dos melhores lugares do mundo para mergulho. Foi o fechamento de ouro de uma viagem pelo Índico Sul. Uma centena de ilhas, que decorrem de formações de corais sobre picos de vulcões submersos, foi convertida em resorts, e recebem turistas ansiosos por seu sol equatorial, praias de areia fina sombreadas por coqueiros, águas cristalinas e principalmente a enlouquecida natureza marinha. Corais multiformes formam o cenário por onde circulam peixes policromáticos nas mais diferentes composições de cores e formatos. Tubarões e tartarugas gigantes adicionam ação e charme ao mundo submarinho fantástico.

Geografia

Essa cadeia de ilhas de formação de corais agrupados em atóis fica a 600 km ao sudoeste do Sri Lanka. Esses 26 atóis se distribuem por 754 km², cortando a linha do Equador. Não há rios nem colinas no país, uma vez que nenhuma ilha atinge 3 metros acima da linha do mar, e a maior tem 8 km de comprimento.

Se as consequências previstas de elevação do nível dos mares devido ao efeito estufa se consumarem, o país poderá deixar de existir ainda neste século. Esperamos que não, pois perderíamos uma parte do paraíso na Terra ‒ principalmente de novembro a março, com seus dias constantemente ensolarados, em torno de 30ºC, com uma agradável brisa permanente. Isso faz com que o turismo seja a maior fonte de renda do local, com mais de 500 mil visitantes ao ano (20% a mais que o número de habitantes do país). A capital Malé tem 100 mil habitantes, e a língua oficial do país é o divehi.

As ilhas

Das 1.192 ilhas, apenas 300 são habitadas, e os turistas só têm acesso às ilhas-resorts, para não afetar os costumes islâmicos locais. Cada ilha-resort é uma unidade hoteleira autossuficiente, com atividades de lazer e de mergulho. Pode-se alugar todo o equipamento para mergulho. E o resort organiza barcos para chegar às mais variadas barreiras de corais.

 História

Em torno do século V, chegam os primeiros habitantes do arquipélago, vindos do Sri Lanka e da Índia. A partir do século X, já era ponto de parada de mercadores árabes a caminho do extremo oriente. Suas conchas eram uma forma de moeda internacional da época. Um desses mercadores, Abu al-Barakat, é responsável pela conversão dos maldivos ao islamismo em 1153 d.C., tornando-se o primeiro sultão do arquipélago. Ele foi seguido de outros 84 sultões em seis dinastias sultanescas, até a proclamação da República, em 1968. Portugueses ocuparam a ilha por 15 anos durante o século XVI. Nos séculos seguintes, o local esteve sob protetorado holandês, seguido do britânico, que controlava o vizinho Sri Lanka. As Maldivas nunca chegaram a ser colônia europeia ‒ em 1887 foi assinado um acordo com os britânicos que garantia a total independência do arquipélago, em troca de direitos militares de defesa. Reconhecido como Estado soberano em 1965, o país ingressou na ONU no mesmo ano. Hoje é um Estado islâmico de 298 km².

 Mais informações sobre viagens às Maldivas e pelo mundo podem ser obtidas com betoconte@stb.com.br, que coordena o STB Trip & Travel no RS ‒ www.stbrs.com (51) 4001.3000. Acompanhe seus relatos de viagens nowww.betonomundo.wordpress.com.