Filipe Toledo é bicampeão do Corona Open J-Bay

Ele conquistou a segunda vitória consecutiva na etapa sul-africana já como novo líder na corrida pelo título mundial na final com o mesmo Wade Carmichael que derrotou no Oi Rio Pro.

O Brasil nunca tinha vencido a etapa sul-africana do World Surf League Championship Tour até Filipe Toledo quebrar esse tabu no ano passado. Agora, ele voltou a brilhar nas direitas de Jeffreys Bay conquistando o bicampeonato no Corona Open J-Bay na final com o mesmo australiano Wade Carmichael que derrotou na decisão do Oi Rio Pro em Saquarema (RJ). Esta foi a quinta vitória consecutiva do Brasil nas seis etapas da temporada completadas nesta quinta-feira em Eastern Cape, na África do Sul. Filipe vai competir com a lycra amarela do Jeep Leaderboard na próxima, o Billabong Pro Teahupoo, de 10 a 21 de agosto no Taiti.

Ele já havia assumido a liderança na corrida pelo título mundial quando ganhou o duelo brasileiro das quartas de final com Gabriel Medina. Foi uma grande bateria, com os dois somando ondas no critério excelente dos juízes no placar de 17,50 a 16,03 pontos. Com a vitória, Filipe já passou para o primeiro lugar no ranking porque no confronto anterior, o sul-africano Jordy Smith tinha barrado o ex-número 1, Julian Wilson, da Austrália. Depois, Filipe Toledo passou pelo japonês Kanoa Igarashi com incríveis 18,90 pontos de 20 possíveis, recebendo notas 9,57 e 9,33 nessa disputa pela última vaga na grande final.

“Eu sempre sonhei em conseguir duas vitórias seguidas no mesmo evento e não poderia ser mais especial isso acontecer aqui em J-Bay”, disse Filipe Toledo. “No ano passado deu altas ondas, esse ano tivemos boas ondas também todos os dias e só tenho que agradecer à Deus. Obrigado Jesus, minha família e a todos que torcem por mim. Eu me sinto muito abençoado agora por tudo que vem acontecendo comigo esse ano”.

A decisão do título começou com Wade Carmichael completando a primeira onda da bateria, mas logo Filipe Toledo respondeu iniciando seu ataque com uma rasgada 360 animal, ainda faz mais duas manobras fortes, acelera para entrar num tubo e na saída erra a finalização na junção. Mesmo assim, o brasileiro larga na frente com nota 8,50 contra 7,33 do australiano. Na segunda onda que eles surfaram, Wade foi melhor e ganhou 8,00 contra 6,93 do Filipe, que continuava em primeiro com 7,44 pontos de vantagem.

Filipe pega a terceira onda primeiro, mas não consegue aumentar seu placar e a prioridade de escolher a próxima fica para o australiano. Enquanto Wade aguarda, o brasileiro fica pegando as ondas que ele deixa passar e acha uma que abre uma longa parede para ele novamente apresentar seu arsenal de manobras modernas e progressivas para ganhar 8,30 dos juízes, com Carmichael passando a precisar de 8,80 para vencer nos 5 minutos finais.

O tempo vai passando, ele segue no outside esperando por uma onda maior e só pega uma no minuto final, mas erra a primeira manobra. Filipe entra na de trás, erra também a primeira manobra e a prioridade volta para o australiano, que ainda acha outra onda nos últimos segundos, sai fazendo manobras, acerta dois floaters, tenta o aéreo, não completa e o bicampeonato de Filipe Toledo no Corona Open J-Bay foi confirmado por 16,80 a 15,33 pontos.

“Quando chega o dia final, pra mim é tudo ou nada e eu arrisco mesmo as manobras para tirar notas mais altas”, disse Filipe Toledo, que nunca perdeu uma decisão de título nas sete finais que disputou em etapas do CT. “Essa é sempre a minha estratégia: vá em frente ou volte pra casa. As finais são aquelas baterias em que você ou é primeiro ou segundo, não há perdedores, por isso eu vou com tudo e tento fazer tudo o que sei nas ondas. Esse é sempre o meu foco, pois é para isso que eu treino bastante antes dos campeonatos”.

No ano passado, Filipe Toledo apresentou uma nova abordagem nas ondas de Jeffreys Bay, jamais vista em toda a história do evento nas direitas mais longas do mundo. Pois nesse ano, ele repetiu o feito e conseguiu metade das dez maiores notas da edição 2018 do Corona Open J-Bay. A vitória dessa vez não foi com nota 10 como em 2017 contra o português Frederico Morais, mas Filipe Toledo novamente dominou toda a bateria do bicampeonato. Wade Carmichael foi derrotado mais uma vez, no entanto ultrapassou Willian Cardoso e agora encabeça a lista dos melhores estreantes da temporada na sexta posição do ranking, pois o catarinense caiu do quinto para o sétimo lugar.

“Eu não tinha grandes expectativas para este meu primeiro ano no CT, então estou realmente feliz pelos bons resultados que já consegui”, disse Wade Carmichael. “Eu só quero continuar melhorando o meu surfe e me divertir, então quero seguir assim que vem dando certo. Estou aproveitando cada minuto de tudo e só tenho que agradecer a todos. Este lugar é incrível e me sinto em casa nessa onda maravilhosa. Adoro isso tudo aqui e obrigado mais uma vez por todo o suporte durante essa semana”.