Turnê do 26º do prêmio da música brasileira estreia em Porto Alegre

Por: Thaiane Estauber | Foto: Divulgação //

Shows terão a participação de Maria Bethânia, homenageada do ano, e de Arlindo Cruz, Camila Pitanga, Chico César, João Bosco, Lenine e Zélia Duncan.

08/11 – Porto Alegre – Auditório Araújo Vianna

15/11 – Belo Horizonte – Chevrolet Hall

26/11 – Brasília – Centro Internacional de Convenções do Brasil

04/12 – Recife – Classic Hall

A 26ª edição do Prêmio da Música Brasileira celebrou os 50 anos de carreira de Maria Bethânia em uma noite histórica no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, quando se cantou o repertório da intérprete em show repleto de convidados especiais. Pelo quinto ano consecutivo, a apresentação não ficará restrita àquela ocasião. Em novembro, o Prêmio da Música Brasileira sairá em turnê por quatro cidades (Porto Alegre, Belo Horizonte, Brasília eRecife) em shows que vão reunir a própria Maria Bethânia e os convidados Arlindo Cruz,Camila Pitanga, Chico César, João Bosco, Lenine e Zélia Duncan. O roteiro, idealizado por José Maurício Machline, inclui somente canções eternizadas na voz da intérprete baiana, comoRosa dos Ventos, Reconvexo, Negue e Vida.

A turnê do 26º Prêmio da Música Brasileira conta com o patrocínio do Banco do Brasil. O projeto inclui ainda uma exposição comemorativa dos 26 anos da premiação, com curadoria e cenografia de Gringo Cardia, e também uma série de shows nas unidades do Centro Cultural Banco do Brasil (Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte e Brasília) a partir de janeiro. As apresentações vão reunir as cantoras Zélia Duncan e Mariene de Castro, vencedoras do Prêmio da Música em diversas ocasiões. Por conta da proximidade com o Carnaval, os shows vão privilegiar o samba, incluindo também músicas do repertório de Maria Bethânia. Zélia lançou recentemente um elogiado disco dedicado ao gênero, enquanto Mariene vem se destacando no cenário nacional com repertório ligado às raízes culturais brasileiras.

Em um ano complexo para os projetos culturais, a chegada do Banco do Brasil como patrocinador, que valoriza e respeita a música brasileira, foi fundamental para viabilizar a manutenção da turnê e a realização destas novas ações.

SOBRE A TURNÊ DO 26º PRÊMIO DA MÚSICA BRASILEIRA

A escolha dos convidados e dos números foi baseada na trajetória artística de Maria Bethânia e em todo o universo de referências que a rodeia.

A ligação da cantora com o samba e os temas ligados à religiosidade refletem na figura de Arlindo Cruz, que recentemente compôs um samba em sua homenagem. O sambista carioca dará voz aos clássicos Reconvexo, de Caetano Veloso, Apesar de Você, de Chico Buarque, eSonho Meu, de Dona Ivone Lara, grande homenageada do Prêmio da Música Brasileira de 2010.

Por questões de agenda, Lenine e Chico César vão se revezar. O primeiro cantará em Belo Horizonte e Brasília e o segundo fica com Porto Alegre e Recife. Gravados por Bethânia nos últimos anos, eles representam a ligação da cantora com as raízes nordestinas e interioranas. Não à toa, Lenine e Chico vão cantar Lamento Sertanejo e Último Pau-de-arara, além de canções autorais gravadas pela intérprete, caso de Nem o Sol, Nem a Lua, Nem Eu – registrada em Maricotinha (2001) – e Estado de Poesia, do show Carta de Amor (2012).

A dramaticidade de Bethânia – conhecida como a mais teatral das cantoras – será sublinhada nos números de Zélia Duncan e Camila Pitanga. José Maurício Machline convidou Zélia após assistir ao aclamado Totatiando, espetáculo que misturava teatro e música para celebrar a obra do compositor Luiz Tatit. Ela ficará responsável por canções de alto teor emocional, como Vida e Rosa dos Ventos, ambas de Chico Buarque.

Já Camila Pitanga – que fez algumas participações como cantora em projetos especiais – vai se apresentar para o grande público pela primeira vez. A atriz interpretará Âmbar, de Adriana Calcanhotto, e Gema, de Caetano Veloso, além de um texto de Fauzi Arap (1938 – 2013), um dos diretores teatrais que mais trabalhou com Bethânia.

Homenageado do Prêmio da Música Brasileira em 2012, João Bosco fará releituras de outros clássicos do repertório da intérprete em seu violão. Admirador confesso de Bethânia, ele costuma compará-la a uma sereia, imagem que aparece na canção Morena do Mar, de Dorival Caymmi, compositor muito presente em seu repertório.

A cenografia da turnê do 26º Prêmio da Música Brasileira inclui painéis com referências ao repertório da cantora, além de imagens raras destas cinco décadas de carreira, que serão reproduzidas em um grande telão.