Aoraki Mount Cook

O Mount Cook é a montanha mais alta da Nova Zelândia, e fica no pé da vila que leva o mesmo nome. Nessa pequena vila, você terá a opção de se hospedar em um hotel, hostel, acampar, estacionar sua Campervan ou até mesmo apenas ir de passagem e curtir o dia na montanha, e se quiser encarar, poderá se hospedar dentro do parque nacional.

Nós optamos por ficar no hostel, que é super aconchegante, e tem uma sauna para os viajantes relaxarem após um dia de caminhadas e frio.  

Outra opção, da qual fiz em uma segunda vez, foi ficar em Fairlie, que fica próximo a Tekapo, e é uma cidade bem pequena, mas com cara de cidade mesmo, e você pode fazer um bate e volta para Mount Cook, ou sair dali, e seguir caminho.

Independente do formato de visita que você escolher, você ficará encantado com as belas paisagens das montanhas, e já se irá se impressionar com o belíssimo Lake Pukaki, que você encontrará no caminho para o Mount Cook.

Para chegar até o Mount Cook, se você estiver vindo de Lake Tekapo, em direção a Queenstown, você pegará uma estrada única que te levará até lá, e bem importante, vá com gasolina suficiente para ir e retornar.

Uma curiosidade sobre a montanha, é que por ser a mais alta da Nova Zelândia, auxiliou Edmund Hillary a desenvolver suas habilidades de alpinismo para conquistar a subida do Everest.

Você poderá explorar a fundo o parque nacional, com todas as trilhas e escaladas possíveis, dos mais diferentes níveis físicos, levando do modo leve até o extremo. Eu não encarei os mais difíceis, por não ter preparo para escalada, e se você for que nem eu, não desista, e vá mesmo para as trilhas curtas e leves, pois vale muito a pena.

Por ficar muito próximo do mar da Tasmânia, o clima pode mudar bruscamente em questões de segundo, mas isso não irá atrapalhar as trilhas leves, e nas trilhas que exigem uma experiência, dependendo das condições climáticas, podem estar fechadas.

Acredito que agora, se você estava em dúvida, não irá excluir esse destino lindo do seu roteiro, certo?

****

Para saber mais das trilhas, e do parque, acessa o site deles aqui.

O hostel que indico pertence a rede hosteling international, e não tem erro para encontrar 🙂

Texto: Diana Pinto / @ababelada