Playa del Carmen

Foi triste deixar Puerto Escondido, mas a hora chegou e tivemos que fazer esse sacrifício. Voltamos para Puebla de ônibus, passando por Oaxaca para uma conexão. Resolvemos ir com o ônibus noturno, que levou doze horas e tinha menos curvas, mas ao meu ver, foi praticamente igual, a única diferença é que estava com sono, e tive a sorte de ter os dois bancos só pra mim, então pude deitar. Rodoviária de Oaxaca bem cara, e o ônibus de cinco horas até Puebla, não tinha nem banheiro. Esse foi um dia de mau humor misturado com a tristeza de voltar pra cidade, além do cansaço.

Passamos mais uma noite em Cholula, com nossa amiga Marisol, e foi ótimo. Fomos mais uma vez na rua dos bares, e comemos algo por lá, mas nada de noite forte. No dia seguinte, o voo para Cancun estava marcado para às 13h. Voamos pela Volaris, que é uma das companhias de baixo custo. Só queríamos saber de chegar na praia, e ver o tal mar azul do Caribe.

Chegando em Cancun, já se vê uma diferença nas pessoas, e no “glamour”, digamos assim. Pegamos nossas malas, e corremos para pegar o ônibus que nos levaria até Playa del Carmen. No caminho, muitos resorts e toda aquela ostentação já esperada. Chegamos em Playa no fim da tarde, e descemos na quinta avenida, que é a avenida principal da cidade. Dali você pode se guiar para todos os lugares, e as quadras são numeradas, de dois em dois. Bem fácil.

Saímos em busca do hostel. Tínhamos dois hostels como opções, porém caminhamos muito e acabamos ficando com a primeira opção, sem nem olhar a outra. Ficamos no hostel “Rio”, em que um dos sócios é brasileiro. Achei o hostel bom, quarto com ar condicionado, café da manhã bem recheado, porém é considerado um hostel de festa, então a partir das 22h, até uma boa hora da madrugada, o barulho é intenso. Para fazer um esquenta ali, está válido, e depois siga para a noite. Se você quer um lugar mais de descanso, não fique ali.

Na quinta avenida está todo o fervo da Playa del Carmen, onde você encontrará lojas, bares, restaurantes, massagem, tatuagem, e tudo mais que possa imaginar. A rua das baladas é a calle 12, paralela com a quinta avenida, e com baladas em toda rua, uma do lado da outra, com promotores de festa te seguindo para fazer você entrar na balada a qualquer custo. Nessa brincadeira, na única noite que fomos para fazer festa, acabamos entrando em umas quatro baladas, sem pagar, e ainda ganhamos umas bebidas. Valeu, mas não achei aquilo tudo.

E o mar do Caribe, Diana? Pois é, gente. Fiquei meio frustrada. Esperava muito mais de Playa del Carmen, e chegando ali o que encontramos foi uma praia fechada por bares e hotéis, da qual você tem que pagar para conseguir um guarda sol, e também consumir, em um alto custo. Nós nos afundamos, pois já estávamos ali, entramos na onda, né?! Muita gente ostentando, muito brasileiro, música boa de fundo, e garçons que te atendem bem ou mal, dependendo do quanto você gasta. Na nossa primeira hora, nos atenderam extremamente mal, mas após verem que iríamos começar a gastar, o serviço virou excelente. No me gusta, mas tem a quem agrade. Ah, e o mar? Azul, bonito, temperatura boa, mas muitas algas em vários pontos da praia, deixando o visual um pouco feio. Em dias nublados, o mar parece o de Santa Catarina (que não é nada ruim).

Nos três dias e meio que ficamos, apenas um dia foi de praia. Nos outros dias, um tempo meio nublado, e chuva. Em algum momento, fomos visitar o hostel que tínhamos como segunda opção, o Bendito Rancho, e adoramos. Muito aconchegante, com um café e restaurante, um pátio com música boa, e gente simpática. Resolvemos reservar as últimas noites ali, e sair do hostel barulhento. O Bendito Rancho fica bem próximo da praia, e é um hostel bem tranquilo, e ainda assim, dá pra interagir e fazer o esquenta pra noite. O pessoal super prestativo a nos ajudar, fizeram reserva para Chichen Itza, e estavam ali para o que fosse necessário, inclusive guardar nossa malas, quando fomos passar dois dias em Tulum. Outra coisa, para os amantes de café, eles produzem o próprio, e é bom. Recomendo!

asicamente em Playa, gastamos tudo que não gastamos no restante da viagem. É bom? é! Mas há lugares melhores, ao meu ver. Mas para quem está buscando apenas praia e festa, é o lugar certo, com certeza!

Bom, sei que vocês esperavam mais animação vindo da minha parte contando sobre Playa, mas infelizmente não superou minhas expectativas, mas quero voltar lá em algum momento, com mais calma e em outra época do ano, para superar minhas expectativas.

*************

Acredito que o Bendito Rancho não atue mais como hostel, então deixo vocês sem endereço, e se por acaso, encontrarem algo por lá, me atualizem 🙂

O hostel Rio fica na calle 8 norte.

Texto: Diana Pinto / @ababelada