Vendo anjos em Puebla

Passamos um dia conhecendo Puebla, e sim, é possível dar uma boa vasculhada em um dia, mas por ser a quarta maior cidade do México e um patrimônio da Humanidade, se você tiver mais uns dias por lá, pode aproveitar com mais calma a visita.

 

Zócalo de Puebla.

Reza a lenda, que após o término da Catedral da Nossa Senhora da Imaculada Conceição, o povo começou a questionar como poderia ser colocado um sino de 8000 kgs nas suas torres. Eis que um belo dia, a população acorda com o sino no seu devido lugar, e ficou o questionamento de como isso foi feito, e chegaram a conclusão de que haviam sido anjos que o tinham feito, dando então o nome à cidade de Puebla de Los Angeles.

Puebla é bem histórica, com muitas igrejas,  ruelas e praças muito charmosas, e na praça dos sapos,  além das casas muito bonitas, e mercadinhos de pulga, com todo tipo de quinquilharia, está a tradicional e mais antiga cantina de Puebla: La pasita.

Arredores da Praça dos Sapos.

La Pasita abriu em 1916, vem passando por gerações, e lá você não encontrará bebidas tradicionais, como tequila e mezcal, e sim vários tipos de licores, entre eles, o mais famoso, que leva o mesmo nome do bar. O licor “la pasita” é um licor de uva passa, que vai com uma uva passa e um pedaço de queijo em um palito, mergulhados dentro do copo.

Há muitos outros sabores, e eu experimentei o de côco, que vinha com pedacinhos dentro do licor, uma delícia. Os preços são únicos, por 25 pesos, equivalente a R$5. Você saíra de lá leve e vendo os anjos da cidade, porque a coisa é forte, meu amigo, e inclusive a foto abaixo comprova. Já sabe, né?! Visita obrigatória.

“Para que no le dé SIDA, tome pasita enseguida”

Não sou muito a favor de andar em ônibus turísticos, mas quando se tem pouco tempo na cidade, acredito que vale a pena para uma vista geral, e foi isso que fizemos após la pasita. O preço do Turibus é uma média de 90 pesos, que dá em torno de uns R$17, e fizemos um trajeto pela cidade, bem longo e bonito.

Em Puebla também experimentei sorvete mexicano, porém, não achei tudo aquilo. E claro, não posso esquecer de citar que a comida é bem gostosa, tanto quanto Cholula.

Definitivamente, vale a pena incluir Puebla no seu roteiro.

Estamos quase acabando as histórias do México,  e no próximo post contarei sobre Oaxaca, e seu “carnaval”, uma vez que o nosso acabou, e já estamos com saudades. Não percam!

******************

La Pasita se localiza na av. 5 oriente, 602. Esquina com a praça dos sapos, e geralmente ficam abertos do 12h30 às 17h30, nos dias de semana.

Texto: Diana Pinto / @ababelada