Alex Pires é prata e coloca o Brasil no pódio

Foto: Daniel Zappe //

Gaúcho completa ‘dobradinha’ em 2015 com segundo lugar nos 1.500m (T46), em Doha, no Catar. Seleção disputa finais nesta sexta.

Seis meses após ser medalhista de prata no Mundial de Maratona, em Londres, Alex Pires voltou a ser premiado em uma grande competição. Desta vez, o gaúcho ficou com a segunda posição nos 1.500m T46 (amputados ou deficiência nos braços) do Mundial Paralímpico de Atletismo, em Doha, no Catar. Esta foi a primeira medalha brasileira na edição de 2015 da competição.

O gaúcho foi superado apenas pelo argelino Samir Nouioua. Ele cravou o tempo de 3min54s43, enquanto o rival africano registrou 3min53s36. Completou o pódio o australiano Michael Roeger, com 3min57s91. Apesar de obter seu quarto pódio em Mundiais (três pratas e um bronze), Alex não deixou a pista do Catar Sports Club totalmente satisfeito.

“Não era a medalha que eu esperava. Queria muito o ouro, mas, infelizmente, não deu. Estou satisfeito porque sei que posso melhorar muito ainda para os Jogos Paralímpicos do Rio. Minha estratégia de prova era correr independente do que fizessem os adversários. Fiz o que tinha de fazer”, disse Alex, de 25 anos.

Alex não foi o único brasileiro a entrar na pista nesta quinta-feira. Ana Cláudia Silva, que fez a sua estreia em Mundiais de Atletismo, quase foi ao pódio. Ela disputou o salto em distância da classe T42 e terminou com a quarta colocação (3,51m). Mesma situação ocorreu com Edson Pinheiro. O velocista da classe T38 ficou com a quarta colocação nos 200m, com o tempo de 23s17, o melhor de sua carreira.

Outro destaque foi Alessandro Silva, que disputou o arremesso de peso. Atleta da classe F11 (cego total), ele competiu contra pesistas da F12 (baixa visão), em decorrência da junção das classes. O 11º lugar veio com novo recorde das Américas em sua categoria original, com 12,56m.

Nesta sexta-feira, o Mundial segue, e o Brasil terá boas chances de medalhas. Principais esperanças do país, atletas como Terezinha Guilhermina e Lucas Prado brigarão por lugares no pódio em suas respectivas provas.

O Mundial Paralímpico de Atletismo está sendo disputado por 1.315 atletas (incluindo atletas-guia) de 88 países. A competição ocorre até o dia 31 de outubro, em Doha, no Catar.