21 de setembro de 2015

BMW Team Brasil encerra temporada no Endurance

BLANCPAIN GT SERIES TONI

Foto: Tony Hermann //

O trio Bueno/Jimenez/Fraga completa etapa em Nurburgring em 17º na Pro Cup, seguido pelos companheiros Brito/Abreu/Stumpf. Time brasileiro foca agora nas duas etapas finais do Sprint Series, onde é vice-líder entre as equipes.

Fim da temporada 2015 do Blancpain Endurance Series. A quinta e última etapa de 2015 das provas de longa duração aconteceu neste domingo no lendário circuito de Nurburgring, na Alemanha, e contou com a participação de 55 carros.

No BMW Team Brasil, os trios Cacá Bueno/Sérgio Jimenez/Felipe Fraga e Valdeno Brito/Átila Abreu/Matheus Stumpf encerraram a etapa em 21º (17º na Pro Cup) e 25º (18º na Pro), respectivamente. Esta foi a primeira temporada do time brasileiro na série de longa duração. No Sprint Series, com provas mais curtas, o time já está em seu terceiro campeonato na Europa.

A vitória neste domingo ficou com a McLaren 650 S GT3 #58 do trio Shane van Gisbergen, Rob Bell e Kevin Estre. Já o título da temporada foi para os pilotos Katsumasa Chiyo, Wolfgang Reip e Alex Buncombe, da equipe Nissan GT Academy Team RJN, que chegaram em terceiro em Nuburgring com o Nissan GT-R Nismo GT3 #23.

O BMW Team Brasil encerra sua temporada de estreia no Endurance com o melhor resultado conquistado nas 24 Horas de Spa, quando Bueno, Jimenez e Fraga ficaram em sétimo lugar na Pro Cup.

O foco agora se volta para as duas últimas etapas do Sprint Series, onde o time brasileiro é o vice-líder entre as equipes. Abreu e Brito estão em terceiro no campeonato e ainda têm chances matemáticas de título. Eles já subiram ao pódio quatro vezes: dois segundos lugares em Brands Hatch (Ing), um terceiro em Zolder (Bel) e um segundo em Moscou (Rus). Bueno e Jimenez aparecem em 11º na temporada. A próxima etapa será no dia 4 de outubro, em Misano (Ita).

Após a etapa em Nurburgring, Jimenez contou que o dia já começou difícil, com a confusão no classificatório, que teve chuva e bandeira vermelha.

“A classificação foi uma bagunça. Choveu no meio do treino e não conseguimos colocar uma volta limpa. Por isso, ficamos muito atrás. Na corrida, eu larguei em 40º e com a primeira parada fomos para 19º no geral. O Cacá se manteve ai e, na hora de entregar o carro para o Fraga, ficou muita confusão nos boxes, porque os dois carros da equipe entraram juntos para aproveitar o Safety Car na pista, mas acabamos perdendo tempo”, contou o piloto de Piedade, no interior de São Paulo, que divide o BMW Z4 #0 com Bueno e Fraga.

Átila Abreu também avaliou o desempenho do BMW Z4 #77 na prova e comentou sobre o problema no último pit. “Largamos em 37º e o Valdeno veio bem no stint dele. Fizemos a primeira parada, que foi boa e ganhamos posições, ficando entre os 20 primeiros. Entrei na pista e o rendimento do carro estava bom, só algumas dificuldades para ultrapassar por falta de motor nas retas. Na última parada, como estava com o Safety Car, vários carros entraram ao mesmo tempo nos boxes, inclusive os dois carros da equipe. Achávamos que seria a melhor estratégia, mas acabou não dando certo. Faltou espaço nos boxes para os carros na hora de sair e acabamos voltando lá atrás, em 30º. O Stumpf ainda avançou algumas posições, mas foi uma pena ter acontecido isso, porque poderíamos ter chegado entre os 12 primeiros. Mas serviu como aprendizado para a equipe nas corridas de longa duração”, acredita Abreu.

Apesar dos problemas, o gaúcho Stumpf considerou a corrida boa e ficou satisfeito por conseguir recuperar um pouco na parte final, depois da perda de posições nos boxes. “A corrida foi boa. Conseguimos largar bem e nos livrar de acidentes. O carro era bom e constante, o que nos permitiu ganhar posições. Mas a última parada acabou sendo uma confusão e perdemos muitas colocações. Ainda consegui recuperar várias posições e, neste momento, éramos um dos carros mais rápidos na pista”, completou o piloto.