14 de setembro de 2015

Brasil é bicampeão do Desafio Piraquê Raia Rápida

Desafio Raia Rapida 2015

Foto: Satiro Sodré //

Estados Unidos ficou com o segundo lugar, seguido de África do Sul e Itália. A competição, que conta com formato único no mundo aconteceu neste domingo, dia 13, no Rio de Janeiro.

Nem mesmo a chuva afastou o bom público que lotou o Mourisco Mar, Parque Aquático do Botafogo, na manhã deste último domingo, para ver a equipe do Brasil conquistar o bicampeonato do Desafio Piraquê Raia Rápida. Em disputas eletrizantes, a equipe brasileira contou com o apoio da torcida e levou a melhor no revezamento 4x50m medley, nos 50m borboleta, com Nicholas Santos, e nos 50m peito, com Felipe França, superando as equipes dos Estados Unidos, África do Sul e Itália. O Desafio distribuiu 100 mil reais de premiação.

Contando com Felipe França, Nicholas Santos, Daniel Orzechowski e Henrique Martins – substituto de Matheus Santana, que passou mal durante a noite devido à uma infecção bacteriana -, a equipe brasileira fez bonito e levou a melhor em três das cinco disputas na piscina, não decepcionando o bom público que compareceu ao Desafio Piraquê Raia Rápida. Os Estados Unidos, com o experiente Anthony Ervin, ficaram com o primeiro lugar nos 50m livre, enquanto a África do Sul levou a melhor nos 50m costas, com Gerhard Zandberg.

O dia começou com as provas individuais. Os atletas disputaram baterias eliminatórias, nadando no seu melhor estilo (costas, peito, borboleta e livre), na distância de 50m. Os últimos colocados foram eliminados da etapa seguinte, até que restaram apenas dois nadadores de cada modalidade.

Nos 50m borboleta, Nicholas Santos mostrou a boa forma e o momento incrível que vive ao cravar 23’08 na final, contra 24’80 do americano Giles Smith, de apenas 23 anos. Antes, o sul-africano Roland Schoeman, lenda da natação mundial, e o italiano Luca Dotto foram eliminados em terceiro e quarto lugar, respectivamente.

“Fiquei satisfeito com o meu resultado, foi um pouco melhor que o tempo que fiz em Kazan. Tirei umas férias depois do Mundial, mas acho que não perdi muito em físico. Agora, estou me preparando para os 100m borboleta, tem seletiva em dezembro. Tenho que ter bastante volume, treinar bastante, para chegar lá e buscar uma vaga para os Jogos”, declarou Nicholas, que deve fazer uma de suas últimas provas dos 50m borboleta no Mundial Militar, em outubro, na Coreia do Sul.

Já nos 50m peito, Felipe França comprovou sua força ao bater o sul-africano Giulio Zorzi, com o tempo de 27’62, frente aos 28’46 do adversário. O americano Mike Alexandrov e o italiano Fabio Scozzoli foram eliminados nas disputas anteriores.

Nos 50m livre, o experiente Anthony Ervin, de 35 anos, superou o brasileiro Henrique Martins na grande final, com o tempo de 22’43. Nas eliminatórias, o sul-africano Bradley Tandy e o italiano Michele Santucci acabaram ficando para trás.

“Estou em uma das melhores fases da minha carreira. Estou mais feliz com minhas performances, aproveito mais meus treinamentos, como usar meu corpo, ainda que esteja ficando mais velho. Fiquei mais confiante com a chuva, pois estudava em Berkeley e lá chovia bastante, estou acostumado com esse tempo, não tenho problemas com ele”, explicou Ervin, que já havia superado Roland Schoeman no ano passado e levado a melhor na prova individual dos 50m livre.

“Foi bem inesperada a situação de substituir o Matheus, de participar do Desafio. Fiquei feliz com o resultado, fiz o meu melhor, acho que devido a tudo que passei nas últimas horas, o resultado foi muito bom”, declarou Henrique, que chegou ao Rio de Janeiro na madrugada de domingo para competir no Desafio Piraquê Raia Rápida.

Nos 50m costas, o gigante Gerhard Zandberg, de 2.04m, fez a prova em 25’19, superando o americano David Plummer, que cravou 25’26. O brasileiro Daniel Orzechowski terminou em terceiro lugar, enquanto o italiano Mirco Di Tora ficou na quarta colocação.

No revezamento 4x50m medley, a equipe brasileira mostrou sua força e não deu chances para os adversários, chegando em primeiro lugar com o tempo de 1:38’06. Marcando 1:39’46, a equipe americana chegou em segundo lugar, seguida da África do Sul e da Itália.