Brasil Ride leva à Bahia ultramaratona de MTB

Foto: Fabio Piva //

Sexta edição do evento será realizada na Chapada Diamantina entre os dias 17 e 24 de outubro com uma grandiosa infraestrutura.

A sexta edição da Brasil Ride, principal ultramaratona de MTB das Américas, aproxima-se cada vez mais. E não são apenas os atletas inscritos que estão ansiosos para a prova, uma das três maiores do mundo no gênero. Com o lema de “Mais que uma prova. Um estágio em sua vida”, a competição realizada entre 17 e 24 de outubro na Chapada Diamantina, na Bahia, com sedes nos municípios de Mucugê e Rio de Contas, também é especial para as pessoas responsáveis pela organização do evento.

Apesar de a realização da Brasil Ride durar pouco mais de uma semana, o planejamento para a competição é anual. Uma equipe de doze pessoas é responsável por detalhar a prova, o que ajuda a eliminar possíveis imprevistos durante o evento. Nessa fase, são realizadas reuniões com os coordenadores e as equipes de cada uma das áreas para pontuar todos os detalhes, uma vez que qualquer evento é realizado com sucesso graças ao conjunto de esforços de todos os envolvidos.

“No total, a Brasil Ride conta com 18 áreas formadas por profissionais dos mais diversos campos de atuação, como engenheiros, médicos, administradores, profissionais de marketing, técnicos, comissários, entre outros. Cada área é dirigida por um coordenador, formando um evento coeso e eficiente com mais de 300 pessoas envolvidas na operação durante o período do evento. Em torno de 200 pessoas da região são contratadas diretamente pela organização. E aproximadamente 25 voluntários são selecionados a cada ano”, destaca Mario Roma, fundador da Brasil Ride.

Cidades-sede da competição, Mucugê e Rio de Contas recebem de forma itinerante, durante o período de prova, as duas Vilas Brasil Ride. Nos dois locais, é montada uma estrutura composta por 500 barracas com 500 colchões para os atletas, além de 1.500m² de tendas e mais 90 toneladas de equipamentos. Nesse grande espaço, ciclistas, estafe, mídia e público encontram uma verdadeira arena nos padrões internacionais do esporte.

“A infraestrutura montada nas duas cidades é composta de cozinha industrial, bases médicas com ambulâncias e UTIs móveis, áreas de recuperação, banheiros e chuveiros-contêiner, bike park, bike wash e lounges, tudo isso com maior foco nos atletas. Para as mídias e também pensando em cada etapa, temos estrutura de televisão via satélite, internet, uma frota composta por caminhões refrigerados, vans, ônibus, carros 4×4, caminhões, quadriciclos, motos e helicóptero. Áreas de hidratação e dispersão, som, iluminação e LED, cronometragem e estrutura de comunicação em radio e repetidoras para cobrir os 600km da prova também estão incluídos nisso”, conta Mario Roma, sem perder o fôlego.