Brasil vence Rei e Rainha do Mar

Foto: Satiro Sodré //

Foi emocionante! O público na Praia de Copacabana acompanhou, nesse último domingo, a apertadíssima vitória do Brasil Amarelo, time formado por Poliana Okimoto, Ana Marcela Cunha Fernando Ponte e Allan do Carmo, no Desafio Rei e Rainha do Mar.

Em um percurso que contou com oito voltas de 400m (350m de água e 50m de areia), os favoritos se esforçaram para bater o time Verde do Brasil formado por Betina Lorscheitter, Viviane Jungblut, Leonardo de Deus e Guilherme Costa. O terceiro lugar ficou com a Europa, seguido por África e Américas. Com uma linda manhã de sol, o evento ganhou ainda mais brilho por marcar o encerramento da carreira de Poliana Okimoto. A medalhista olímpica se emocionou quando falou sobre a despedida e a conquista do título de Rainha do Mar.

“Toda vez que eu piso em Copacabana eu lembro da medalha dos Jogos Rio 2016 . O mar sempre me trouxe coisas muito boas. Mesmo sendo minha última prova, eu me senti muito bem nadando o Rei e Rainha do Mar. Fui competitiva e foi uma disputa espetacular. Entrei bem emocionada, falei com os meus amigos de seleção. São muitos anos representando o Brasil. Quando olho pra trás lembro que valeu demais”, emociona-se Poliana. A atleta ainda falou sobre nadar junto Ana Marcela Cunha, já que elas nunca haviam competido na mesma equipe.

“Foi ótimo nadar com a Ana Marcela. Ela sempre foi minha rival mas isso sempre fez a gente evoluir, querer ser melhor e ter mais qualidade. Tenho certeza que isso fez eu e ela crescermos como atleta. Foi especial ter ela ao meu lado, no mesmo time, e ganhando. O dia de hoje foi muito emocionante.”, finaliza Poliana.

O revezamento foi eletrizante com a liderança alternada entre os times brasileiros. A equipe verde deu trabalho com experientes atletas de piscina como Leonardo de Deus e a promessa da nova geração Guilherme Costa. Na quarta volta, a Europa chegou a assumir a liderança mas na troca seguinte Leo de Deus e Fernando Ponte recuperaram a ponta. . Na penúltima volta, Allan do Carmo usou toda a sua experiência em provas de águas abertas para que Ana Marcela entrasse em primeiro na água.

“Era minha última volta e não podia deixar mal pois a Ana Marcela ia encerrar a prova. Eu estava nadando ao lado do Guilherme e sei que é um atleta muito forte. Recentemente, ele fez uma marca incrível batendo o recorde sul-americano. Quando eu consegui emparelhar com ele na água, eu pensei.. daqui eu não posso sair mais. Fiquei ali amarrado o tempo todo e funcionou. Vi que ele estava sentindo dificuldade. Fiz uma troca de na passagem pela última boia e na saída do mar eu tive que usar a minha clareza. Foi no detalhe e na corrida. Acho que a minha experiência contou muito”, explica Allan do Carmo.

Ana Marcela conseguiu sair na frente para a última volta e segurou a liderança no mar. A baiana seguiu na frente enquanto passava por todas as boias e garantiu a vitória para a equipe Amarela.

“A primeira volta que fiz do revezamento foi mais tranquila. Eu segurei mesmo, tanto é que a Europa conseguiu encostar nos times brasileiros. Para a última eu guardei um gás, quis ficar na frente o tempo todo. Quando virei na última boia, que é praticamente uma reta, eu acelerei. Foi demais. Também adorei o formato de quarteto misto. Ter disputando com a Poliana foi incrível, ainda mais na despedida dela. Primeira e única vez que o público pode ver a gente brigando pelo mesmo título ao invés de estar competindo uma contra a outra. É uma emoção diferente. Estou muito feliz”, declara Ana Marcela.

O Diretor-técnico do evento e um dos idealizadores do desafio Rei e Rainha do Mar, Pedro Rego Monteiro, falou sobre a satisfação de organizar e receber tantos atletas brilhantes na competição.

“Tivemos a Ana Marcela nadando ao lado da Poliana e outros grandes nomes. Trouxemos equipes fortes. Foi muito bacana ter a Poliana se despedindo e as duas competindo juntas pela primeira vez. Foi muito lindo ver as duas se abraçando. Foi especial ver o Brasil ganhando depois de alguns anos, um momento único”, finaliza Pedro Rego Monteiro.