CIRCUITO SUL-AMERICANO

Foto: Rui Porto Filho  //

 

CIRCUITO SUL-AMERICANO: Neide/Carol Horta e Allison/Guto campeões em Macaé (RJ)

 

Primeira etapa tem pódio feminino todo verde e amarelo, com Elize Maia/Fernanda Berti em segundo e Duda/Thaís em terceiro.

 

A etapa de abertura do Circuito Sul-Americano 2014 era em território brasileiro, na cidade de Macaé (RJ), e as duplas do Brasil trataram de fazer muito bem o dever de casa, sem dar chance aos adversários. No domingo (26.01), Neide/Carol Horta e Allison/Guto sagraram-se campeões e levaram o público ao delírio. E a festa ficou ainda mais completa com o pódio feminino todo em verde e amarelo, com Elize Maia/Fernanda Berti em segundo e Duda/Thaís em terceiro.

E a alagoana Neide e a cearense Carol Horta desbancaram na final a dupla que reinou na edição passada do Circuito Sul-Americano. Elize Maia e Fernanda Berti disputaram oito das nove etapas em 2013 e chegaram a sete finais, sendo campeãs em quatro delas. E justamente na única em que não figuraram na decisão, em Sobral (CE), adivinha só quem estava lá? Neide e Carol Horta, que, na ocasião, acabaram ficando com o vice.

E a dupla que conquistou Macaé (RJ) ainda bateu uma outra parceria brasileira mais cedo. Pela semifinal, Neide e Carol Horta derrotaram Duda e Thaís por 2 a 0, parciais de 21/18 e 21/14, e garantiram a primeira vaga na decisão. Na outra semi, Elize e Fernanda, com a torcida dos pais na arquibancada, venceram as argentinas Ana Gallay e Georgina Klug por 2 a 0 (21/8 e 21/17). Chegada a hora da final verde e amarela.

Pela terceira vez, Neide/Carol Horta e Elize Maia/Fernanda Berti se enfrentavam, e as estatísticas apontavam uma vitória para cada lado. Mais focadas, errando pouco, Neide e Carol conseguiram se manter sempre à frente do placar no primeiro set, fechando com um 21/18. No segundo, porém, foram a persistência e a concentração que fizeram com que garantissem o título. Após tirarem três pontos de desvantagem no fim, venceram por 21/19 e fizeram a festa.

“Foi nosso quarto torneio juntas e o terceiro título”, lembrou Carol Horta, referindo-se às conquistas no Circuito Banco do Brasil Nacional, nas etapas de Campinas (SP) e São José (SC). “Fechamos essa parceria recentemente e os resultados aparecem quando o trabalho é bem feito. Esse título vai nos dar um gás a mais para Natal, é um estímulo muito grande para nós”, completou ela, citando a próxima etapa do Circuito Banco do Brasil Open, de 7 a 9 de fevereiro.

Neide também não conseguia conter tanta alegria. Mas não se esqueceu de parabenizar toda seleção brasileira pelo belo resultado conquistado em Macaé (RJ), com o país dominando totalmente o pódio feminino.

“Jogar no Brasil, defender essa camisa e ainda ter a chance de ser campeã é maravilhoso. Mas todas nós estamos de parabéns, pois ocupamos todo o pódio. Amanhã, porém, já teremos que esquecer o que passou, pois, daqui a apenas duas semanas, haverá uma etapa muito importante para nós, em Natal. E precisamos melhorar o nosso desempenho no Open”, ressaltou Neide. Na última etapa do CBBVP, em São Luís (MA), a dupla não passou da fase de grupos.

Na disputa pelo terceiro lugar, Duda e Thaís trataram de pintar a outra parte do pódio de verde e amarelo. Numa partida bem disputada e equilibrada contra as argentinas Ana Gallay e Georgina Klug, dupla que rodou o Circuito Mundial em 2013, elas venceram por 2 a 0, parciais de 21/19 e 21/17, e garantiram o bronze.

Um clássico Brasil x Argentina eletrizante na final masculina

No masculino, Allison e Guto garantiram vaga na decisão numa semifinal que não terminou. No jogo contra os compatriotas Jô e Hevaldo, este teve a infelicidade de se lesionar quando sua dupla vencia o segundo set por 7 a 5. No atendimento, ficou diagnosticada uma suspeita de lesão do tendão extensor longo do polegar da mão esquerda. Com Hevaldo sem condições de jogo, Allison e Guto, que já tinham vencido o primeiro set por 21/17, levaram o segundo com um 21/7 e avançaram para a final.

Estava definido o tradicional clássico Brasil x Argentina na decisão da primeira etapa do Sul-Americano. Do outro lado da rede, Facundo Del Coto e Pablo Bianchi, que, na outra semifinal, derrotaram os também argentinos Julian Azaad e Ian Mehamed de virada, com parciais de 17/21, 21/15 e 15/9. E os jovens Allison e Guto, numa campanha invicta, comprovaram o voleibol de gente grande e confirmaram outro título para o Brasil.

E o bom público presente à arena montada entre a Praia do Pecado e a Lagoa de Imboassica teve o privilégio de presenciar uma virada espetacular de Allison e Guto no primeiro set. Os argentinos venciam por 20/17, tinham o set point, quando os garotos do Brasil se agigantaram e viraram para 22/20. E o segundo set foi tão eletrizante quanto, numa outra reação incrível dos brasileiros. No fim, o jogo ainda terminou antes da hora, devido a uma fadiga muscular dos dois atletas da Argentina, confirmando a vitória maiúscula por 21/16.

“Não estávamos bem no primeiro set, tínhamos dificuldade na virada de bola, até nos encontrarmos no fim e crescermos junto com a torcida. Foi uma virada incrível, daquelas de se guardar para sempre. Não desistimos nunca. Essa é uma marca da nossa dupla, que foi criada para jogar o Mundial Sub-21 no ano passado e resolvemos continuar juntos. É muito legal poder brigar de igual para igual com outras grandes duplas do Brasil e da América do Sul”, declarou o carioca Guto.

“Estou feliz demais com a nossa evolução. Passamos da fase do sub-21 e, agora, estamos crescendo como equipe com muito suor e treinamento. O Guto é um cara espetacular e um atleta exemplar. Machucou o dedo durante o jogo e, ainda assim, voou em todas as bolas. Jogou demais”, disse Allison, sem deixar de citar uma outra pessoa especial em sua vida. “Dedico esse título também à minha namorada (Isabelle), que mora em Rio Branco, no Acre, e torceu de longe por mim.”

Os argentinos Julian Azaad e Ian Mehamed garantiram o terceiro lugar sem mesmo entrarem em quadra, devido à lesão de Hevaldo.