Etapa americana da ASP World Championship Tour

Jordy Smith e Stephanie Gilmore vencem o WCT dos EUA. Os brasileiros ficaram nas quartas de final mas Gabriel Medina continua liderando a disputa do título mundial com uma boa vantagem e Adriano de Souza permaneceu em sétimo no ranking após a oitava das onze etapas do Samsung Galaxy ASP World Championship Tour em Trestles.

O sul-africano Jordy Smith, 26 anos, e a australiana Stephanie Gilmore, 26, festejaram os títulos da etapa norte-americana do Samsung Galaxy ASP World Championship Tour nas ótimas ondas de 5-7 pés da quinta-feira em Lower Trestles, San Clemente, na Califórnia. A pentacampeã mundial tirou até nota 10 na final do Swatch Women´s Pro para totalizar 19,50 pontos contra a nova líder do ranking, Sally Fitzgibbons, 23 anos. Já o sul-africano tirou o título do Hurley Pro Trestles do havaiano John John Florence, 21, de virada na onda que surfou no último minuto da bateria. Os brasileiros não passaram das quartas de final, mas Gabriel Medina segue liderando a corrida do título mundial com uma boa vantagem sobre o vice-líder, Kelly Slater, assim como Adriano de Souza permaneceu em sétimo no ranking das oito etapas do WCT completadas nos Estados Unidos.

“Foi inacreditável essa final. Conseguir derrotar o melhor surfista do mundo no momento é um sentimento incrível”, disse Jordy Smith. “Eu comecei bem a bateria (com nota 9,33), mas depois não consegui fazer outra onda boa e o John John (Florence) é um grande adversário e estava surfando de forma incrível essas ondas aqui em Trestles. Quando foi chegando nos minutos finais, eu comecei a pensar em todos que têm me apoiado ao longo da minha carreira e isso me ajudou a pegar essa última onda. Eu estou na Lua agora. Era um sonho meu ganhar esta etapa de Trestles, especialmente depois que mudei aqui para San Clemente”.

O havaiano John John Florence era o favorito ao título do Hurley Pro pelas grandes apresentações nos dois últimos dias e liderava a bateria final com notas 8,60 e 7,27. Jordy Smith só tinha o 9,33 da sua primeira onda e estava somando um 3,03. O novo morador de San Clemente, parece ter sido abençoado com uma boa onda que surgiu para ele no último minuto. O sul-africano arriscou tudo e virou o placar para 16,50 a 15,87 pontos com a nota 7,17 que recebeu dos juízes. No caminho até a final, ele já havia eliminado o atual campeão mundial Mick Fanning e o também australiano Adrian Buchan, que barrou o líder do ranking, Gabriel Medina, nas quartas de final.

Jordy Smith faturou 100 mil dólares de prêmio pela vitória no Hurley Pro Trestles e subiu da 14.a para 11.a posição com os 10.000 pontos recebidos. O sul-africano é um dos quatorze surfistas com chances matemáticas de ainda brigar pelo título mundial nas três etapas que restam para definir o campeão da temporada 2014. O havaiano John John Florence também faz parte desta lista e ganhou quatro posições com o vice-campeonato na Califórnia, passando para a oitava colocação, logo abaixo do brasileiro Adriano de Souza, a quem derrotou nas quartas de final que abriram a quinta-feira decisiva do WCT dos Estados Unidos.

TÍTULO MUNDIAL BRASILEIRO

Na busca pelo primeiro título mundial de um brasileiro na história do circuito disputado desde 1976, Gabriel Medina, único que tem três vitórias computadas no ranking, ainda tem uma boa vantagem de 6.500 pontos sobre o segundo colocado, Kelly Slater. O maior ídolo do esporte queria a vitória em San Clemente para se aproximar ainda mais, porém foi barrado por John John Florence, que vingou a derrota sofrida também na semifinal da etapa passada nos tubos de Teahupoo, no Taiti. Assim como no Hurley Pro Trestles, só Gabriel Medina e Kelly Slater vão brigar pela ponta do ranking no Quiksilver Pro France, de 25 de setembro a 6 de outubro em Hossegor.

No ano passado, o fenômeno de Maresias, praia onde mora em São Sebastião, no litoral norte de São Paulo, foi vice-campeão desta etapa na final com o australiano Mick Fanning. Mas, foi também em Hossegor que Medina conquistou a sua primeira vitória no WCT, logo na segunda prova que disputou na divisão de elite em 2011. Matematicamente, o título não poderá ser definido na França, mas Medina vai eliminando concorrentes a cada bateria que passar no Quiksilver Pro. E se vencer de novo esta etapa, podem sobrar somente cinco adversários colocados entre os seis primeiros do ranking, Slater, Joel Parkinson, Mick Fanning, Michel Bourez e Taj Burrow, acabando com as chances de Adriano de Souza e dos que estão abaixo dele.

PRIMEIRO WCT FEMININO EM TRESTLES

A disputa pelo título mundial feminino também promete ser emocionante e Stephanie Gilmore entrou de vez na briga com a vitória no Swatch Women´s Pro Trestles em sua terceira final consecutiva. Nas Ilhas Fiji perdeu para a própria Sally Fitzgibbons que ela derrotou agora e no US Open of Surfing foi batida por outra australiana da nova geração, Tyler Wright. Gilmore começou bem a temporada 2014, vencendo a primeira etapa na Gold Coast. Depois a havaiana Carissa Moore ganhou duas seguidas, Sally Fitzgibbons repetiu o feito e a pentacampeã mundial chegou em Trestles em quarto lugar no ranking. Agora assumiu a vice-liderança e na França as quatro primeiras colocadas vão brigar pela dianteira na corrida do título mundial.

Na quinta-feira, Stephanie Gilmore deu um show, principalmente na final quando surfou uma onda de forma incrível, atacando cada espaço com uma boa variedade de manobras modernas para arrancar a única nota 10 do Swatch Women´s Pro. Esta é a primeira etapa do WCT feminino realizada em Trestles e Gilmore colocou o seu nome como primeira campeã da história com uma apresentação impecável, totalizando 19,50 pontos de 20 possíveis, contra 14,03 das duas primeiras ondas surfadas por Sally Fitzgibbons na bateria.

“Eu estava sentindo que eu e a Sally (Fitzgibbons) iríamos fazer a final aqui e eu só queria poder levá-la de volta para Fiji, porque eu tive um péssimo desempenho na final lá”, disse Stephanie Gilmore. “Esta vitória veio num momento decisivo para mim este ano, eu acho. Era um evento especial, o primeiro WCT feminino aqui em Trestles e competir aqui é fantástico. Estou muito feliz que venci e a corrida do título mundial ficou ainda mais embolada, mais emocionante, então já estou ansiosa para as etapas da Europa”.

ÚLTIMAS ETAPAS DA ASP

Agora restam três etapas para fechar o Samsung Galaxy ASP World Championship Tour e para definir os títulos mundiais da temporada 2014. Para os homens, a próxima é o Quiksilver Pro France, de 25 de setembro a 6 de outubro em Hossegor, na França. Depois tem o Moche Rip Curl Pro Portugal nos dias 12 a 23 de outubro em Supertubos, Peniche. E o Billabong Pipe Masters encerra a história da Association of Surfing Professionals nos dias 8 a 20 de dezembro em Banzai Pipeline, na ilha de Oahu, no Havaí. A partir de 2015, a ASP muda seu nome para World Surf League (WSL).