Mar gigante em El Gringo

Foto: Rommel Gonzales   // 

O Maui and Sons Arica World Star Tour é o primeiro dos dois eventos da ASP South America que serão realizados nesta semana e o Red Nose Pro Junior começa sexta-feira em Baía Formosa (RN) no Brasil.

As ondas de El Gringo já mostraram toda a sua potência no primeiro dia do ASP 3-Star Maui and Sons Arica World Star Tour, que vai até domingo no Chile. As condições estavam tão extremas na terça-feira, com séries incontroláveis passando dos 12 pés de altura, que o início da competição foi adiado na terceira chamada do dia, às 10h00. A decisão foi anunciada após reunião entre alguns representantes dos surfistas e a comissão técnica, com a próxima chamada sendo marcada para as 7h00 da quarta-feira no Chile, 8h00 pelo fuso horário de Brasília. Este é o primeiro dos dois eventos que serão realizados pela ASP South America nesta semana. O outro é no Brasil, o Red Nose Pro Junior, que começa na sexta-feira em Baía Formosa, no Rio Grande do Norte, para surfistas com até 20 anos de idade.

“Devido às condições muito difíceis do mar, com ondas de 10-12 pés fechando com swell de sudoeste em El Gringo, a direção técnica do evento, junto com o diretor de prova, o tour manager (gerente do circuito) da ASP South America e um grupo de surfistas, foi decidido adiar o início do evento por 24 horas”, explicou Sérgio Gadelha, head judge (chefe dos juízes) do Maui and Sons Arica World Star Tour. “Nossa preocupação foi de preservar a segurança dos surfistas e esperar por melhores condições para termos um sistema de competição mais justo, para todos poderem apresentar performances mais técnicas, garantindo assim o espetáculo do evento nestas ondas incríveis aqui de El Gringo”.

E o mar estava realmente muito perigoso na terça-feira e um dos atletas que formou a comissão dos surfistas foi o “big rider” brasileiro Marcos Monteiro, que participa do Circuito Mundial de Ondas Grandes da ASP e até já venceu uma etapa lá mesmo no Chile. Ele, o chileno Edward Portocarrero e o peruano Gabriel Villarán, primeiro campeão do verdadeiro Desafio de Arica nas ondas de El Gringo em 2009, se reuniram com a comissão técnica para adiar o início do Maui and Sons Arica World Star Tour para a quarta-feira.

Alguns surfistas se aventuraram a encarar as condições desafiadoras e o australiano Brent Symes foi quem mais sentiu a força e o perigo das ondas de El Gringo. Esta é a primeira vez que ele surfa em Arica e entrou no mar para tentar conhecer melhor o lugar, mas passou um sufoco. Ele acabou perdendo sua prancha e ficou cerca de meia hora tomando uma série de ondas gigantescas na cabeça. Saiu quase desacordado da água, chegou a desmaiar quando era levado para o hospital, mas já está bem de saúde e deve participar da competição, relatou o Tour Manager da ASP South America, Klaus Kaiser.

ONZE PAÍSES NO CHILE

A bateria do único australiano no Maui and Sons Arica World Star Tour esse ano é a 13.a, encabeçada pelo chileno Guillermo Satt, que já foi campeão deste evento em 2011. Os outros dois adversários de Brent Symes são o também chileno Renato Aguirre e o havaiano Tyler Newton. Um total de 62 surfistas de onze países se inscreveu para competir nas ondas desafiadoras de El Gringo.

A maioria é do Chile com dezesseis surfistas, enquanto o Brasil forma o maior pelotão estrangeiro com quatorze participantes. Depois tem o Peru com onze inscritos, Havaí com oito, Estados Unidos e Argentina com quatro cada e os outros cinco países marcam presença com um representante, Austrália, França, África do Sul, Equador e Uruguai. Todos eles foram divididos nas dezesseis baterias da primeira fase.

GALERIA DE CAMPEÕES

Entre os quatro surfistas que já conquistaram o título em Arica, três vão tentar uma segunda vitória esse ano. O único ausente é o australiano Anthony Walsh, que mora no Havaí. Ele venceu a edição de 2012 e foi vice-campeão na final contra o peruano Alvaro Malpartida no ano passado. A apresentação dos integrantes da Galeria dos Campeões do Maui and Sons Arica World Star Tour começa logo na primeira bateria com o vencedor do primeiro WQS em El Gringo, Gabriel Villarán, também do Peru. O chileno Leonardo Acevedo e o norte-americano James Fazio serão os seus adversários e os dois primeiros colocados avançam para a segunda fase.

Os outros dois vão estrear em confrontos seguidos. O chileno Guillermo Satt encabeça a 13.a bateria, completada pelo seu compatriota Renato Aguirre, o australiano Brent Symes e o havaiano Tyler Newton. E na 14.a, Alvaro Malpartida faz a sua primeira defesa do título de campeão do Desafio de Arica contra os também peruanos Martin Jeri e Adam Garcia e o brasileiro Pablo Paulino, que tem dois títulos mundiais Pro Junior da ASP no currículo.

RED NOSE PRO JUNIOR NO BRASIL

Também nesta semana, acontece outro evento da ASP South America no Brasil, o Red Nose Pro Junior, que começa na sexta-feira e vai até domingo nas ondas do Pontal de Baía Formosa, cidade do extremo sul do Rio Grande do Norte, na divisa com o estado da Paraíba. Será a primeira etapa masculina do ASP South America Pro Junior Series, circuito que define o campeão sul-americano Sub-20 da temporada e classifica os quatro primeiros colocados no ranking final para disputar o título mundial Pro Junior da ASP.

No ano passado, só foi realizada uma seletiva da ASP South America no Peru que definiu os campeões sul-americanos, o brasileiro Luan Wood e a peruana Melanie Giunta. No Peru também foi iniciada a categoria feminina do ASP South America Pro Junior Series 2014 em San Bartolo e a bateria final foi a mesma do ano passado em Lobitos, mas com Miluska Tello vingando a derrota para largar na frente na disputa do título esse ano. Depois do Red Nose Pro Junior, tem só mais uma etapa também masculina e feminina no mês de setembro em Chicama, novamente no Peru.