Marcelo Melo volta ao Brasil e foca na Copa Davis

Foto: Gerry Weber //

Ao lado de Kubot, ele perdeu na última sexta-feira para os franceses Julien Benneteau e Edouard Roger-Vasselin. Após a participação no Grand Slam, deverá subir uma posição no ranking mundial individual de duplas, ocupando o terceiro lugar.

O US Open terminou na última sexta-feira para o mineiro Marcelo Melo e o polonês Lukasz Kubot. Em partida válida pela segunda rodada do Grand Slam, em Nova Iorque (EUA), a dupla cabeça de chave 2 foi derrotada pelos franceses Julien Benneteau e Edouard Roger-Vasselin, por 2 sets a 0, parciais de 6/3 e 7/6 (7-2), em 1h26min. Melo e Kubot não conseguiram repetir as suas boas atuações desta temporada para seguir no torneio, parando na parceira francesa campeã de Roland Garros em 2014 e vice campeã em Wimbledon no ano passado.

Melo retornou para o Brasil, onde treina até o embarque para o Japão. De 15 a 17 deste mês, ele representará o País na Copa Davis, na cidade de Osaka, em busca de um lugar no Grupo Mundial em 2018, formando dupla com Bruno Soares. Na sequência, em outubro, Melo e Kubot disputam dois torneios na China, em Beijing e Shangai, a partir do dia 2.

Após a participação no US Open, Melo deverá subir uma posição no ranking mundial individual de duplas, passando a ocupar o terceiro lugar, com Kubot caindo para quarto. Juntos eles lideram o ATP Doubles Team Race to London, já classificados para o ATP Finals, que reúne as oito melhores parcerias do ano, em novembro, em Londres, na Inglaterra.

“Agora é seguir treinando, com foco na Davis. Nessa segunda rodada do US Open, enfrentamos dois jogadores de alto nível, que jogam muito bem juntos, já tiveram excelentes resultados e acabaram sendo melhores. Tivemos uma chance de voltar ao jogo no segundo set, que não conseguimos aproveitar. Em dupla de alto nível, uma pequena oportunidade pode custar a partida e foi o que ocorreu. Acho que poderíamos ter ido bem em um terceiro set, mas infelizmente não deu”, afirmou Marcelo, que tem o patrocínio de Centauro, BMG e Itambé, com apoio da Confederação Brasileira de Tênis.