2 de maio de 2017

Marco Giorgi vence final sul-americana em Portugal

podium

Foto: Poullenot //

A primeira vitória do Uruguai no Circuito Mundial da World Surf League foi conquistada na decisão com o brasileiro no QS 3000 Pro Santa Cruz encerrado neste domingo na Praia da Física.

Uma final sul-americana fechou o QS 3000 Pro Santa Cruz apresentado pela Oakley neste domingo na Praia da Física, em Santa Cruz, Portugal. Marco Giorgi festejou a primeira vitória do Uruguai no Circuito Mundial da World Surf League, derrotando Thiago Camarão na terceira decisão de título do brasileiro em três domingos consecutivos. E ele quase consegue a terceira vitória no placar encerrado em 12,67 a 12,27 pontos a favor do uruguaio. Com os 3.000 pontos, Marco Giorgi saltou de 256 para 23 no ranking do WSL Qualifying Series e Thiago Camarão subiu da 122.a para a 21.a posição após as 26 etapas completadas em Portugal.

Os dois são muito amigos e nasceram no mesmo ano de 1988. Marco Giorgi completou seu 29.o aniversário durante a semana em Portugal (dia 26) e não poderia desejar um presente melhor do que a vitória no QS 3000 Pro Santa Cruz. As finais aconteceram em condições difíceis nas ondas mexidas e irregulares de 3-5 pés, afetadas pelos ventos do domingo na Praia da Física. O uruguaio achou uma boa direita quando restavam 5 minutos para o término da bateria e acertou duas manobras fortes que valeram nota 7,17. Thiago Camarão tentou a vitória até o fim, mas dessa vez não conseguiu virar o placar nas últimas ondas que surfou.

“É a minha primeira vitória no Circuito Mundial e estou muito emocionado, é muito louco tudo isso que estou sentindo”, vibrou Marco Giorgi, que está competindo sem um patrocinador principal esse ano. “É um trabalho muito duro, os campeonatos são longos e você tem que manter o foco sempre para ir passando as baterias. Hoje (domingo) foi o meu dia e estou muito feliz, nem posso acreditar. Este resultado me permitirá participar dos QS 10000 a partir de agora, mas não foi fácil conseguir isso começando a temporada do zero no início do ano”.

Até a inédita vitória uruguaia em Portugal, o melhor resultado de Marco Giorgi em 2017 era o 25.o lugar no QS 3000 Volcom Pipe Pro em Pipeline, no Havaí. Ele também disputou as duas primeiras etapas do QS 6000 esse ano, mais decisivas na briga pelas dez vagas do WSL Qualifying Series para a elite dos top-34 que disputa o título mundial da World Surf League. No entanto, não passou nenhuma bateria na Austrália e despencou no ranking, só voltando a competir agora no QS 3000 de Portugal. Marco Giorgi mora em Garopaba (SC) e é o único representante do Uruguai no Circuito Mundial da World Surf League.

“Eu e o Marco (Giorgi) crescemos juntos e foi super legal fazer essa final com ele aqui, então fiquei feliz por ele também”, disse Thiago Camarão. “Eu fiz o melhor que pude nas ondas que vieram para mim e não foi suficiente dessa vez. Mas, estou feliz com o meu surfe e com tudo que está acontecendo na minha vida agora. Eu vou continuar feliz, sorrindo, ficar saudável e treinar bastante para pensar mais seriamente sobre a qualificação (para o CT) novamente”.

Thiago Camarão também viveu a falta de um patrocinador principal no ano passado e ficou em 113.o lugar no ranking, fora do grupo com participação garantida nas etapas do QS 6000 e QS 10000, as mais decisivas do WSL Qualifying Series. Nesse ano, estreou o novo patrocínio vencendo o QS 1500 Rip Curl Pro Argentina em Mar del Plata, largando na frente na corrida do título sul-americano da WSL South America. Uma semana depois, outra vitória na abertura do Circuito Paulista valendo pontos pelo título brasileiro. Em Portugal, decidiu seu terceiro título consecutivo e subiu para a 21.a posição no ranking com aproveitamento de 83,3% dos pontos disputados no QS esse ano, faltando três resultados ainda para completar os cinco computados.

No último dia do QS 3000 Pro Santa Cruz, Marco Giorgi conseguiu a maior nota do domingo – 8,5 – para derrotar o veloz Hiroto Ohhara na primeira semifinal. O japonês está em quarto lugar no ranking do QS e ainda tirou um 7,5 numa boa onda, porém não impediu a primeira vitória do uruguaio por 15,23 a 13,33 pontos. Na outra bateria, o português Frederico Morais construiu uma sólida vantagem com notas 6,33 e 7,50, mas Thiago Camarão reagiu no final e apresentou suas armas em três ondas seguidas na casa dos 7 pontos para derrotar o top do CT por 14,50 a 13,83 pontos.