Martine Grael e Kahena Kunze estreiam no Mundial de Vela

Foto: Divulgação //

Atuais líderes do ranking mundial na classe 49erFX, as velejadoras brasileiras Martine Grael e Kahena Kunze iniciam amanhã  a busca por mais uma conquista inédita: o Mundial da Federação Internacional de Vela (ISAF), em Santander, na Espanha.

Durante a competição, que até o dia 21 reúne os principais atletas da vela do mundo, serão definidas 50% das vagas dos Jogos Olímpicos Rio 2016 – por ser o país sede, o Brasil já possui vaga em cada uma das dez classes olímpicas. A dupla brasileira desembarcou na Espanha, há pouco mais de duas semanas, cheia de confiança na bagagem. E não é para menos: Martine e Kahena já conquistaram cinco títulos em 2014, entre eles o Aquece Rio, evento teste disputado na Baía de Guanabara em agosto, e as etapas de Hyéres e de Mallorca da Copa do Mundo de Vela.

“Essa é a competição mais importante do ano. Sabemos que as outras equipes virão com força máxima para buscar a classificação para os Jogos Olímpicos, mas estamos focadas na nossa preparação e confiantes”, disse Kahena Kunze. Para faturar o título inédito, as brasileiras, que foram vice-campeãs na temporada passada, terão de superar uma disputa acirrada com as grandes rivais na temporada: as dinamarquesas Ida Marie Baad Nielsen e Marie Thusgaard e as francesas Sarah Steyaert e Julie Bossard.

Sobre o Mundial

A competição terá o mesmo formato olímpico, com uma fase classificatória, mais a medal race, em que participam apenas os dez melhores colocados e tem pontuação diferenciada. Além da 49erFX, haverá regatas nas classes 49er, Laser Radial, Laser Standard, 470, Finn e Nacra. A delegação brasileira conta com 34 atletas e 12 técnicos, incluindo Torben Grael, pai de Martine e coordenador técnico da equipe olímpica brasileira.

A cada ciclo olímpico a ISAF promove um evento mundial reunindo todas as classes com o objetivo de definir parte das vagas para os Jogos Olímpicos. Em 2007 o Mundial foi realizado em Cascais, Portugal, e em 2011 em Perth, na Austrália. Para este ciclo da Rio 2016 a ideia foi adiantar o evento em um ano para que cada país possa ter mais tempo para definir e treinar sua equipe.

Ao todo são esperados mais de 1250 atletas, em mais de 900 barcos, de 84 países. Aqueles que não conseguirem se classificar para os Jogos Olímpicos Rio 2016 terão ainda os mundiais das classes do ano que vem para tentar a vaga.