Martine Grael e Kahena Kunze são campeãs mundiais

Foto: Divulgação //

Dupla desembarca no aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro, hoje às 17h15.

É ouro! A dupla Martine Grael e Kahena Kunze venceu neste último domingo em Santander, na Espanha, o Mundial de classes olímpicas promovido pela Confederação Internacional (ISAF). O título veio depois de 12 regatas e de uma medal race bastante disputada. As brasileiras entraram na água na segunda colocação, a apenas dois pontos das dinamarquesas Ida Nielsen e Marie Olsen. Em uma medal race, que tem pontuação dobrada, isto significa que a dupla que chegasse na frente ficaria com o título.

A regata começou com 1h30 de atraso por conta do vento fraco. As brasileiras optaram por largar próximo à Comissão de Regatas e defender o lado direito da raia, enquanto as dinamarquesas largaram mais no meio da linha. Nielsen e Olsen chegaram a montar a primeira e a segunda boia na frente das brasileiras, porém Martine e Kahena, que são líderes do ranking mundial, conseguiram se recuperar na terceira perna e só tiveram que administrar a vantagem

“Foi difícil, pois o vento estava bastante rondado, mas sabíamos tudo o que estávamos fazendo,”, disse Martine. “Foi muito bom disputar esta regata com tanta gente torcendo por nós. Foi emocionante”, disse Kahena.

Este foi o primeiro título mundial da dupla, que se juntou para tentar a vaga para o Rio 2016. Nestes dois anos do ciclo olímpico, as meninas conquistaram diversos títulos internacionais, incluindo o Aquece Rio, evento que serviu como primeiro teste para as Olimpíadas, disputado na Marina da Glória, em agosto.

Robert Scheidt foi o melhor entre os homens: Robert Scheidt foi o melhor brasileiro no Mundial, terminando na quinta colocação da classe Laser Standard. Durante a fase final, ele foi desclassificado de uma das regatas por largar escapado o que o deixou fora da briga por medalhas.

“A desclassificação prejudicou bastante o resultado final, pois eu tive que somar um 20º lugar na regata seguinte e descartar esta bandeira preta. Foram 10 pontos a mais que podiam ter feito a diferença”, disse ele.