Piloto de paramotor sobrevoa o rio Tietê

Fotos: Leandro Saadi //

Do caos com a poluição, a um rio limpo, passando pela seca, Lu Marini conclui expedição inédita.

O piloto de aventura Lu Marini concluiu no último dia 07 de setembro na cidade de Itapura, interior de São Paulo, a missão de sobrevoar com paramotor toda a extensão do rio Tietê, totalizando mais de 1.100 quilômetros.

Durante a expedição “Rastreando o Rio Tietê”, que teve início no dia 20 de agosto na cidade de Salesópolis, interior paulista e onde nasce o rio, o piloto passou por 62 municípios e registrou imagens inéditas da situação atual do rio mais poluído do Brasil, que passa pela maior seca dos últimos setenta anos.

“Foi muito triste ver o caos que se encontra o Tietê. O descaso ambiental, a destruição da mata, cidades inteiras sofrendo problemas respiratórios e o problema da seca, que atinge o transporte hidroviário gerando milhares de demissões e afetando o comércio de pequenas cidades e a economia do País”, comenta Lu Marini.

Foram mais de duas horas de voo diário, a uma altura que variava de 3 a 400 metros do solo, uma velocidade média de 50 km/h e mais de 40 pousos, momento de conhecer de perto a realidade de quem vive as margens do rio, como é o caso da Dona Maria.

“Foi o momento mais emocionante da expedição. O destino a colocou no meu caminho. Uma senhora de 80 anos, que sustentou 12 filhos com peixes retirados do rio e que hoje, com a poluição, retira o lixo do Tietê para tentar salvar o rio e sua própria vida. Além disso, o mesmo rio que alimentou a sua família, levou seu filho de 22 anos, que morreu atropelado por uma barcaça”, relata Lu Marini.

Mas não foram só problemas vivenciados por Lu Marini. A beleza do rio, já com vida e limpo, foi contemplada pelo piloto nos trechos finais da expedição, até o Tietê desaguar no rio Paraná.

Todo o material captado durante a aventura fará parte de um documentário e um livro sobre a expedição, além de uma cartilha infantil, com previsão de lançamento para o primeiro semestre de 2015.

“Estou muito feliz de desenvolver uma cartilha infantil, onde me torno um personagem que foi conhecer tudo sobre a natureza e o meio ambiente, sobrevoando o Tietê. Quero usar o voo com paramotor para atrair a atenção do público infantil. Plantar uma semente de consciência ambiental em cada criança. O futuro depende delas”.

As Expedições

Em sua primeira expedição realizada em 2009, Rastreando o Atlântico, o aventureiro sobrevoou 4.000 km do litoral brasileiro, decolando da cidade de Torres – RS e pousando no Rio Grande do Norte.

Já em 2010, após sobrevoar 2.000 km do Pantanal brasileiro, fez um raios-X com imagens aéreas inéditas e matérias exclusivas.

Sobrevoar um vulcão ativo foi o desafio realizado em 2012, na expedição Rastreando o México. Durante 20 dias Lu Marini esteve em território mexicano sobrevoando a rota dos vulcões.

 

Foi nessa expedição que o aventureiro bateu o Recorde Continental de Altitude subindo a mais de 5.000 metros, sobrevoando um dos vulcões mais perigosos do mundo, o Popocatépetl, tornando-se o único piloto do mundo a sobrevoar um vulcão em atividade.

 

Em 2013, o desafio foi sobrevoar a rodovia Transamazônica. Foram 40 dias de aventura e mais de 4.000 km, passando por sete estados e 63 municípios, e voos históricos, como o realizado sobre a construção de Belo Monte e sobre a Floresta Amazônica. A expedição inédita ganhou grande repercussão nos meios de comunicação do País.

 

Perfil Lu Marini

Conhecido como o “Caçador de Aventuras”, Lu Marini ganhou destaque ao unir a paixão pelo voo de Paramotor com suas aventuras. É piloto instrutor de Paramotor e um dos pioneiros da atividade no Brasil.

Sua paixão por aventuras e pelo esporte foi a motivação para criar a Fly Produções, empresa com foco na realização de conteúdo para a televisão e documentários.

Desde 2009 se dedica a grandes projetos, realizando expedições pelo mundo utilizando o Paramotor como meio de transporte para chegar a lugares pouco explorados e mostrar a realidade por outro ângulo.