Roberto Jou vence 1ª seletiva no Brasil rumo ao Mundial 2018

Foto: Clovis Prates //

Rédeas – única modalidade western das oito que estarão em pista nos Jogos Equestres Mundiais 2018 – tem forte base no Brasil e Exeterior. Serão 3 seletivas no Brasil e demais no Exterior para qualificar seis atletas.

No final de semana entre 9 e 12/11, o Concurso Internacional e Nacional de Rédeas Super Stakes – evento maior da modalidade da Associação Nacional do Cavalo de Rédes (ANCR) – movimentou o Parque de Exposições Dr Francisco Cruz Pimentel em Avaré, no interior paulista. No dia 10, o ponto alto foi a primeira de três seletivas da modalidade – com chancela da Confederação Brasileira de Hipismo (CBH) e Federação Equestre Internacional (FEI) – para formação da equipe brasileira nos Jogos Equestres Mundiais 2018, que acontece a cada quatro anos e reúne as oito modalidades oficiais da FEI e chega sua 8ª edição, entre 10 e 23 de setembro, no Tryon International Equestrian Center, Carolina do Norte (EUA).

A prova seletiva para o Mundial – CRI 3* FEI/CBH – Tripol Ranch Classic – teve ótima participação de 12 conjuntos. Com performance impecável sagrou-se vencedor o gaúcho Roberto Jou com F5 Licurgo do Tapajós, também carinhosamente conhecido como Loiro, totalizando 74 pontos. Marcelo Almeida colocou dois cavalos no top 3 da Seletiva. Com Mahogany Whiz marcou 73,5 e com Smart Smoking Chic a nota foi 73.

Conjunto que esteve nos Jogos de 2014, na França, Gilson Diniz com Steppin Off Sparks marcou 72,5, entrando na briga para repetir a participação em 2018. Com 72, o experiente Gilson Vendrame e o vencedor A Little Spring Step também estão na disputa. A nota válida para os conjuntos candidatos a uma vaga na equipe brasileira foi do norte-americano Joe Hayes, juiz oficial da FEI e National Reining Horse Association, que esteve frente ao julgamento do evento ao lado de Hiram Rezende, Leonardo Feitosa, Reginaldo Mello Rosa, Wadson Lander e Catharine Ferrazolli (equipamento).

“Estou muito feliz por ter já iniciado as seletivas do Mundial com o pé direito. Nada é certo ainda, mas é um sonho representar o Brasil. Enfim, estou muito contente de ter concluído essa primeira fase e também pelo cavalo estar sadio. Mas ainda temos a segunda e a terceira fase que serão bem fortes, e os competidores virão com tudo. Então é preciso continuar me preparando”, destacou Joberto Jou. “Quero agradecer muito a minha família, minha esposa Paula, meus pais e sogros que sempre apoiaram a minha paixão e profissão de treinador de cavalos”, declarou Roberto Jou, 40, que está frente do seu próprio centro de treimanento Sul Rédeas, em Eldorado do Sul, a 20 min de Porto Alegre.

Roberto também comentou a perfomance de seu cavalo Licurgo, o Loiro, da raça crioula de 9 anos, de propriedade de Gilvane Santos, proprietária da Cabanha Marca dos Santos. “Recentemente com o Loiro ganhamos o Campeonato Gaúcho e Nacional de Rédeas. O desejo do marido da Gil, Carlos Santos, que infelizmente veio a faleceu em 2016, era levá-lo para competir no Exterior e tinha me escolhido como cavaleiro. A Gil está realizando seu desejo!”, destacou o cavaleiro, que em 2012 foi finalista da maior prova de Rédeas do Mundo a NRHA Futurity, também com um cavalo crioulo. “Foi a primeira vez um cavalo crioulo chegou à final desta prova que acontece em Oklahoma City, EUA, todos os anos em novembro.

Marcelo Almeida, 2º colocado, também se mostrou satisfeito com seu resultado. “Já participei de duas seletivas para um Mundial anteriormente e representar o Brasil nos Jogos Equestres é o meu grande sonho. Essa é a única prova que falta eu vencer na carreira. Venho me preparando há 4 anos. Agora é voltar pra casa e trabalhar ainda mais”, declarou Marcelo.