19 de setembro de 2015

Rocha aposta no Aberto do Brasil para chegar ao Rio 2016

264100_541283__dsc0277

Foto: Zeca Resendes //

Torneio que acontece no Rio de Janeiro entre 24 e 27 de setembro dá pontos para os rankings mundial e olímpico e pode ajudar no avanço rumo ao PGA Tour.

O Aberto do Brasil apresentado por Credit Suisse Hedging-Griffo, que acontece de 24 a 27 de setembro no Itanhangá Golf Club, no Rio de Janeiro (RJ), pode representar uma grande oportunidade para brasileiros como Alexandre Rocha avançarem na carreira internacional. O torneio vale pontos para os rankings mundial e olímpico. Ele faz parte do PGA Tour Latinoamérica, circuito que integra o caminho para o PGA Tour americano, que reúne a elite do golfe mundial.

No final do ano, os cinco primeiros colocados no PGA Tour Latinoamérica ganham vaga para oWeb.com Tour, o circuito de acesso ao PGA Tour, sem precisar disputar nenhuma seletiva. Quem terminar entre os 20 primeiros do PGA Tour Latinoamérica até depois da disputa do Aberto do Brasil poderá pular a primeira das três fases da Q-School, a classificatória para oWeb.com Tour, uma das peneiras mais concorridas do esporte.

E, por final, quem estiver entre os 10 primeiros do ranking continental até 4 de novembro poderá entrar direto na terceira e última fase da Q-School, ficando a apenas um torneio da vaga para o Web.com Tour.

No ano passado, o Aberto do Brasil aconteceu em novembro e, por isso, não pôde auxiliar os competidores a pular etapas da classificatória. Como neste ano foi adiantado para setembro, pode ser determinante para auxiliar os brasileiros na corrida rumo ao PGA Tour.

“Espero poder continuar a boa campanha este ano para voltar a um Tour maior”, diz o paulista Alexandre Rocha, único brasileiro a ter disputado tanto o PGA Tour (2011 e 2012) quanto o Web.com Tour (2013 e 2014) e o PGA Tour Latinoamérica (2015). Ele é também o primeiro brasileiro a ter ganho mais de US$ 1 milhão em torneios ligados ao PGA Tour.

Em 2010, quando Rocha disputou a Q-School, ela ainda dava vagas para o PGA Tour. Agora, a única maneira de se chegar à elite é por meio do Web.com Tour, para o qual o paulista tenta obter uma vaga, a fim de fazer o caminho inverso, desta rumo ao circuito principal.

Atualmente, Rocha ocupa a 26ª colocação do ranking latino-americano e é o quarto melhor brasileiro no ranking mundial, em 836º – ele está atrás de Lucas Lee (303º), que disputa oWeb.com Tour e obteve vaga para o PGA Tour, de Adilson da Silva (349º), que joga na África do Sul e Ásia e que também disputará o Aberto do Brasil a convite da Confederação Brasileira de Golfe, e de Rafael Becker (818º), atual campeão do Aberto do Brasil, que defenderá o título este ano.

Rocha nunca escondeu que seu sonho é representar o Brasil nas Olimpíadas, e sabe que, para isso, terá que voltar logo a um circuito como o Web.com Tour, que dá mais pontos para os rankings mundial e olímpico.

Esta semana, Rocha será o único brasileiro na disputa do Colombian Classic, etapa do PGA Tour Latinoamérica disputada em Bogotá. Becker, que também disputa o circuito, optou por não jogar esta semana e focar na preparação para o Aberto do Brasil.

Organizado pela Confederação Brasileira de Golfe (CBG) e promovido pela IMM, o Aberto do Brasil apresentado por Credit Suisse Hedging-Griffo reunirá os melhores golfistas do continente. A premiação é de US$ 175 mil.

A competição também vale pontos para o ranking mundial de golfe, lista que definirá os atletas classificados para disputar os Jogos Olímpicos. O Rio 2016 marca o retorno da modalidade às Olimpíadas depois de 112 anos de ausência.

O Aberto do Brasil será disputado em quatro dias. Após as duas primeiras rodadas, haverá um corte, e apenas os 55 melhores classificados e empatados disputarão as duas rodadas finais. Os convites para o público acompanhar de perto os melhores golfistas do continente durante as quatro rodadas serão gratuitos.