14 de abril de 2015

Segunda etapa da Liga MOCHE de Surf

LMoche_Caparica_Dia3_Acção_FMorais (4)

Foto: Divulgação //

Frederico Morais venceu no último domingo o Allianz Caparica Pro, segunda etapa da Liga MOCHE 2015, batendo Tiago Pires numa final de altíssimo nível.

Perante o muito público caparicano, que aproveitou o bonito dia de sol para ver o melhor do surf nacional, “Kikas”, como é conhecido o campeão nacional de surf 2013, foi o melhor surfista do dia nas boas ondas de 0,5m das praias do Dragão e Paraíso. Com dois scores totais consecutivos de 17,25 pontos em 20 possíveis (segundo melhor do evento), nas meias finais e final, uma onda de 9,5 pontos em 10 possíveis (segunda melhor do Allianz Caparica Pro), Frederico conquistou a prova da Costa de Caparica pelo segundo ano consecutivo e afirmou-se como o surfista mais vitorioso desta etapa da Liga MOCHE, uma vez que já tinha sido finalista em 2013.

“Foi uma final da qual fico muito orgulhoso, por ter sido com um dos meus ídolos, uma pessoa que significa muito para mim e que já me passou muito! Estarmos um igual e não dois a zero (Nota: Tiago bateu Frederico na primeira etapa, nas meias-finais) é muito bom. Quero também dar os parabéns a todos os atletas, pois o nível de surf que vimos aqui foi incrível. Vimos uma nota de 10 pontos do Pedro Henrique, o Tomás Fernandes incrível… todos estão na luta, o que faz com que, desde o primeiro round, nunca estejamos seguros no primeiro lugar e isso é óptimo de se ver no surf português, por isso parabéns a todos,” afirmou confiante o campeão.

Já Tiago Pires, que demonstrou uma excelente gestão de esforço ao longo de toda a prova, conseguindo sempre as pontuações necessárias para passar as suas baterias mas por vezes até de forma discreta, mostrou o seu melhor no último dia, batendo os dois atletas que melhores pontuações fizeram nos dois primeiros dias e voltando assim a alcançar a final. Aí acabou por não conseguir superar Frederico, mas a sua competitividade e táctica na gestão dos momentos-chave foram um sério exemplo de know-how, que o tornaram no melhor surfista português de sempre.

“Queria começar por dar os parabéns ao Frederico, vencedor da prova, pois já o conheço há muitos anos e dá gosto vê-lo surfar desta maneira. Ia ser sempre uma final muito disputada, o que acabou por acontecer… parabéns também aos semi-finalistas, que surfaram igualmente muito bem. Dá muito gosto ver o nível do surf português actualmente, que é talvez o melhor da Europa. Estou contente com o resultado, apesar de não ter ganho… acho que vamos ter de desempatar isto em breve! Obrigado a todos por terem vindo, foi um campeonato excelente e até ao próximo, se calhar,” comentou elegantemente “Saca”.

Nas meias-finais, em terceiro lugar ex-aequo, ficaram Pedro Henrique e Tomás Fernandes, deixando o quinto posto no Allianz Caparica Pro para Gony Zubizarreta, Marlon Lipke, Filipe Jervis e para o tri-campeão nacional em título, Vasco Ribeiro.

Pedro Henrique, ex-campeão mundial Pro Junior e o surfista em destaque ao longo dos primeiros dias, “vingou-se” ontem na Renault Expression Session, vencendo um espectáculo à parte em que só a melhor manobra interessa para a vitória, sendo atribuídos, nas cinco etapas, 2.500€ anuais aos seus vencedores.

Nas mulheres, primeira vitória do ano para Camilla Kemp, que mostrou uma grande forma e sintonia com as ondas da Costa de Caparica, conseguindo as melhores ondas e pontuações do dia e deixando as suas adversárias da final a necessitarem de notas muito altas para a alcançarem. A atleta do Guincho venceu esta etapa, à semelhança do que já tinha feito em 2013, deixando a actual campeã nacional, Teresa Bonvalot, em segundo lugar, Carina Duarte em terceiro e Carol Henrique (irmã de Pedro Henrique) na quarta posição.

Camilla agradeceu e dedicou esta vitória ao seu treinador, Miguel Graça, “uma das pessoas que mais me ajudou na vida e sem a qual este resultado não teria sido possível. Obrigado Miguel, és o maior!,” afirmou.

A campeã nacional, Teresa Bonvalot, de 15 anos, também não saiu da Costa de Caparica de mãos a abanar, tendo conquistado o Ramirez Junior Award, um troféu que premeia os melhores juniores da Liga MOCHE com 2.500€ anuais e que conta com objetivos intercalados ao longo das cinco etapas mas que, no caso específico da Costa de Caparica, teve o seu foco nas surfistas sub-16 femininas.

Esta foi também a segunda prova a contar para a Allianz Triple Crown que, no conjunto das três provas com Naming Sponsor Allianz, designadamente as etapas da Ericeira, Caparica e Sintra, irá distribuir mais de 6.000€ entre o vencedor masculino e a vencedora feminina. Para já, Tiago Pires e Teresa Bonvalot lideram essa disputa.

No final da segunda etapa da Liga MOCHE 2015, Francisco Rodrigues, presidente da Associação Nacional de Surfistas, assegura que “a prova da Caparica vem reforçar cada vez mais a curva ascendente do Surf português. Com uma competição absolutamente fechada desde o primeiro momento e uma renovação dos vencedores face à prova da Ericeira, seguimos para o Porto com máxima expectativa de perceber quem vai permanecer na luta pelos títulos de campeão nacional. Se a competitividade já faz parte do reconhecimento geral, o desafio agora é ver a base de surfistas candidatos à vitória a alargar-se. Queria também deixar uma palavra de boa sorte a todos os portugueses que vão agora competir em duas provas importantes do circuito mundial, nos Estados Unidos e no Brasil, esperando que estas duas provas já decorridas da Liga MOCHE tenham sido decisivas ao nível da motivação e da confiança. Boa sorte a todos!”

Com o mote “Amigos, Amigos, Ondas à Parte”, que corporiza o espírito de amizade entre os surfistas fora de água mas a cada vez maior competitividade e espectacularidade dentro de água, a Liga MOCHE 2015, que distribui mais de 70.000€ de premiação aos surfistas, volta às ondas da Praia Internacional, no Porto, dias 22, 23 e 24 de Maio.