11 de outubro de 2017

Taça Brasil de MTB XCO tem pódio Shimano

323565_739132_pA_dio_elite_masc___taA_a_brasil_xco___thiago_lemos

Foto: Thiago Lemos //

Entre os homens, quatro dos cinco primeiros foram do Shimano Sports Team. No feminino, vitória de Karen Olimpio foi o principal destaque, com Danielle de Moraes em terceiro.

Os ciclistas do Shimano Sports Team fizeram bonito na Taça Brasil de MTB XCO, última corrida do circuito em 2017, em Maricá (RJ). Entre os homens, quatro atletas representaram a marca no pódio: o vice-campeão Sherman Trezza (Caloi Elite Team), Rubinho Valeriano e Guilherme Muller (ambos Sense Factory Racing) em terceiro e quarto lugares, respectivamente, e Jefferson Batista (AVA Project), em quinto. Na disputa das mulheres, a vitória foi de Karen Olimpio (Team Oggi/Isapa), com Danielle de Moraes (AVA Project) na terceira posição.

O ciclista Henrique Avancini foi quem subiu no lugar mais alto do pódio na elite masculina. Também entre os atletas Shimano, Wolfgang Olsen ficou com o sexto lugar e João Pedro Firmeza terminou em 14º na elite, além de ter sido o quinto na sub-23, categoria em que Jefferson foi vencedor e Mario Couto (Sense Factory Racing) terminou em segundo. Após a corrida, Sherman Trezza avaliou o desempenho na sua penúltima prova da temporada. “Mais uma vez mantive a regularidade apresentada durante o ano, com a conquista do segundo lugar na Taça Brasil de MTB XCO”, destacou Sherman.

“Fico satisfeito com o resultado e com a resposta a alguns ajustes que venho realizando nos treinos para tentar melhorar alguns pontos dentro das provas cross country olímpico (XCO). É sempre positivo quando você arrisca e consegue acertar. Isso me deixa confiante para a próxima temporada. Agora, olhos no último grande desafio do ano, a Brasil Ride, a partir do domingo (15) que vem, na Bahia”, contou o ciclista, que tem sua bike equipada com o grupo XTR Di2 de transmissão de marcha eletrônica.

A vencedora do feminino, Karen Olimpio, também avaliou seu resultado. “Foram cinco voltas duras no calor de Maricá, com clima bem seco. A pista estava muito bacana e a prova exigiu bastante da parte psicológica do começo ao fim e consegui me controlar bem”, destacou Karen. “Não fiz uma boa largada, mas em 200 metros pude me recuperar e liderar o pelotão, onde fui abrindo um pouco de vantagem, liderando do começo ao fim”, completou.