Time brasileiro de Vela embarca para a disputa do Mundial

Foto: Divulgação //

Equipe contará com 34 atletas e 12 técnicos, incluindo Torben Grael.

Entre os dias 8 e 21 de setembro os melhores velejadores do mundo que buscam uma vaga para 2016 estarão reunidos na Espanha para a disputa do Mundial da Federação Internacional (ISAF). Durante a competição serão definidas 50% das vagas dos próximos Jogos Olímpicos e, apesar de o Brasil já possui vaga em cada uma das dez classes, embarca para o velho continente com uma delegação forte, que promete brigar por medalhas. No total o time canarinho contará com 34 atletas e 12 técnicos, incluindo Torben Grael, coordenador técnico da equipe olímpica brasileira.

“A Equipe Brasileira tem se mostrado bastante consistente nos eventos internacionais, então para esta competição espero ao menos um titulo mundial e cinco barcos entre os 10 melhores colocados”, disse o diretor técnico da CBVela Ricardo Lobato.

A competição terá o mesmo formato olímpico, com uma fase classificatória, mais a medal race, em que participam apenas os dez melhores colocados e tem pontuação diferenciada. A previsão é de que as regatas comecem pra valer no dia 12 para as classes Laser Radial e Laser Standard, no dia 13 para as pranchas, 14 para os 470 e 15 para o Finn, Nacra, 49er e 49er FX.

Em todo ciclo olímpico a Federação Internacional promove um evento mundial, que visa definir parte das vagas dos Jogos. Em 2007 ele foi realizado em Cascais, Portugal, e em 2011 em Perth, na Austrália. Para este ciclo a ideia foi adiantar o evento em um ano, dando mais tempo para que cada nação possa definir e treinar os seus representantes.

Ao todo são esperados mais de 1400 atletas, de 80 países, e aqueles que não conseguirem se classificar terão ainda os mundiais das classes do ano que vem para tentar a tão sonhada vaga.

“Nós participamos de uma competição no final do mês na raia do Mundial e analisamos que boa parte dos times está bem preparada e treinada em busca da vaga para os jogos de 2016. A grande alternância e inconstância de resultados de grande parte das tripulações nos faz ter certeza que ter uma boa média será crucial para conseguir um bom resultado neste evento”, disse Geison Mendes, timoneiro da classe 470.

A delegação brasileira disputa o Mundial da Isaf com o apoio da CBVela, do COB e do Ministério do Esporte. A CBVela tem patrocínio oficial do Bradesco, apoio da Lei de Incentivo ao Esporte e conta com a Slam como fornecedora oficial.