6 de novembro de 2013

Bruna Kajiya

11-01-_dsc0010bruna
11-02-050510ks09bru
11-03-050510ks07

BRUNA KAJIYA – RADICALIDADE E DELICADEZA À FLOR DA PELE

Movimentos leves que se misturam ao ar, manobras incrivelmente radicais e todo o talento e a dedicação de uma mulher moderna impressionam quem conhece Bruna Kajyia, uma menina de 24 anos que de frágil não tem nada. Bruna vive o kitesurf intensamente desde seus 15 anos de idade, quando se apaixonou perdidamente pelo esporte. Tanta dedicação rendeu o título de campeã mundial na categoria freestyle, em 2009, o que foi um divisor de águas em sua carreira.

“A final que me deu o título mundial foi uma superação pra mim. Eu velejei de dedo quebrado e, cada vez que fazia uma manobra, gritava horrores, pensei que ia desmaiar mais de uma vez durante aquela bateria, mas consegui”, relata Bruna, mostrando que a competitividade está latente em sua personalidade. A brasileira está entre as melhores do mundo desde 2007, quando foi vice-campeã mundial.

Depois repetiu a colocação em 2008 e 2010, e atualmente está em segundo lugar, poucos pontos atrás da primeira colocada. Mas a intensidade com a qual vive o esporte não se traduz apenas em sua personalidade competitiva. Bruna idealiza aumentar o nível das atletas que praticam a atividade:

“Meu objetivo maior é me divertir e puxar o nível das meninas, para contribuir com a evolução do esporte. Atualmente minha vida é dedicada cem por cento ao kitesurf”, comenta Bruna, que tem como diferencial a potência e o estilo com os quais realiza suas manobras. Além das pipas, a atleta também curte outros esportes na água. Apaixonada pelo surfe, ela começou a velejar depois que sofreu um acidente surfando. A partir daí, sua relação com o kitesurf se intensificou, e o que era apenas mais um passatempo se tornou uma paixão.

“Sou apaixonada pelo surfe. Comecei a velejar porque sofri um acidente e tive que parar um pouco. Machuquei minha boca nas quilhas. Foi sério e acabei me afastando do surfe e conhecendo o kite”, explica.

Quando não está competindo, a atleta também pratica snowboard, wakeboard e natação. “Gosto de manobras fortes, radicais e expressivas. Quero estender os limites do esporte, principalmente entre as meninas. Além disso, quero aprimorar cada vez mais a minha técnica e o meu estilo”, diz ela com propriedade.

“Meus picos preferidos no Brasil e no mundo são Cumcubo (CE), Ilhabela (SP) e Tarifa, na Espanha”, revela Bruna. Quando questionada sobre as manobras preferidas, ela brilha os olhos e responde com rapidez: “Low back mobe, grab NIS, blind judge 3”. Os momentos mais alucinantes para Bruna fora das competições foram surfar Snapper Rocks, na Austrália, e saltar de bungee jump na África do Sul.

Bruna ama viajar, já circulou por países como Alemanha, Espanha, Portugal, França, Itália, Bélgica, Grécia, Suíça, Holanda, Inglaterra, Áustria, Estados Unidos, Canadá, Venezuela, República Dominicana, Argentina, Chile, Egito, Marrocos, Tailândia, Austrália, África do Sul, Nova Caledônia e México. Outro hobby revelado por Bruna é a leitura: “Eu leio um pouco de tudo que me interessa, meus autores favoritos são Isabel Allende e Dostoiévski. No momento estou lendo ‘Banker to the Poor’, do Muhammad Yunus”.

Nem tudo foram flores na trajetória de Bruna Kajyia… “Eu tive um acidente em uma competição, voei e caí de cabeça na praia; me levaram direto pro hospital e eu só lembro de que, cada vez que abria o olho, me sentia completamente desnorteada. Foi horrível, e eu passei muito medo achando que poderia ter tido uma lesão perigosa no pescoço, mas graças a Deus deu tudo certo e só tive que usar um suporte pro pescoço por uma semana. Aquele acidente me fez refletir muito em como tudo pode mudar em um piscar de olhos”, relata a atleta.

A rotina de Bruna é intensa. Ela treina diariamente em Ilhabela, onde reside, com seu treinador, que lhe passa séries de exercícios morfofuncionais. Esse treinamento é mantido em suas rotinas de viagem. Quanto à alimentação, a atleta segue à risca a ingestão de produtos orgânicos e extremamente saudáveis.

E com tantas experiências, títulos e predicados, será que ainda resta algum sonho para essa empreendedora atleta? “Meu único sonho é ser feliz, viver uma vida simples perto da praia, em uma casa em frente ao mar, com muitas ondas e vento, ter uma família saudável e alguns cachorros”, finaliza Bruna.